Contra a corrupção

Atualizado em: 18/09/2013 - 00:00

comentários

Uma iniciativa que surgiu em maio de 2012, incentivada pelo Ministério Público do Paraná, merece ser aplaudida. Estamos falando do Movimento Paraná Sem Corrupção, que incentiva a discussão crítica, a participação social e a educação para a cidadania, a fim de iniciar uma verdadeira mudança cultural capaz de eliminar a corrupção do dia a dia das pessoas. Um movimento que tem o propósito de promover o combate à corrupção e disseminar uma cultura baseada na dignidade, na honestidade, em princípios éticos, na participação social e no exercício pleno da cidadania.
No ano passado, a primeira etapa das ações priorizou palestras em escolas, as quais enfocaram a pregação de princípios éticos e morais, postura de retidão e voto consciente. Agora, o movimento chega à segunda etapa, e ao invés de levar informações, pretende buscá-las. Por isso, a audiência pública agendada para amanhã (19), em Marechal Cândido Rondon, será uma grande oportunidade de as pessoas exporem suas principais demandas.
Esses encontros representam um momento importante para toda a sociedade, uma vez que a partir deles é possível pregar a necessidade de condutas que visem o bem comum, de acordo com a lei. Além disso, é uma forma de esclarecer para as pessoas que corrupção não está somente ligada ao meio político; geralmente é desta forma que a relacionamos, enquanto na verdade essa prática é muito mais ampla do que imaginamos.
No dicionário Aurélio, corrupção tem como significado a ação ou efeito de corromper, de fazer degenerar; depravação. Ação de seduzir por dinheiro, presentes etc., levando alguém a afastar-se da retidão; suborno. Ou seja, a corrupção está relacionada a práticas que não estão alinhadas à honestidade, princípios e valores. Algo que, infelizmente, é bastante comum na sociedade, e não condiz única e exclusivamente à classe política.
A corrupção perpassa por todo o tipo de conduta que não se enquadra na lei. Quer dizer, pode ser um motorista que não respeita a faixa de pedestres, uma pessoa que encontra uma carteira na rua e não a devolve ao dono, um filho que forja a nota da prova para apresentar ao pai, uma postura desonesta no ambiente de trabalho e por aí vai. Coisas que são bastante comuns no dia a dia, mas que as pessoas não percebem o quanto não são saudáveis para a vida social e em família.
Por isso, antes de criticar qualquer conduta devemos voltar nossos olhos para nós mesmos. É preciso reavaliar posturas e atitudes e rever conceitos.
O velho e conhecido “jeitinho brasileiro” é outro exemplo de conduta corrupta. Se o fulano ou o ciclano agem para tirar proveito em alguma situação, mesmo que isso vai prejudicar o próximo, não estão sendo honestos. Mas as pessoas, muitas vezes, não percebem a gravidade disso. Então, esse movimento é uma ótima oportunidade para alertar os cidadãos de que é preciso mudar essa cultura de sempre querer obter algo em benefício próprio. De achar que a corrupção só está instalada em Brasília ou na casa do vizinho. Precisamos olhar mais para o nosso “quintal” e eliminar posturas que não contribuem para o bem comum.
Precisamos quebrar o “rótulo” de que a impunidade reina absoluta, devido à lei branda existente em nosso país, e descartar o chavão de que o crime ou falcatruas compensam. Os pais precisam ensinar os filhos, os professores precisam conscientizar os alunos sobre os preciosos valores que a sociedade espera deles enquanto cidadãos. Dignidade, honestidade, responsabilidade, respeito e ética fazem a diferença na vida de qualquer pessoa. Por isso, qualquer iniciativa que busque este enfoque sempre será bem-vinda.
É preciso que eu e você, juntos, deixemos tais posturas cada vez mais à mostra, encurtando o caminho da corrupção, de atitudes levianas, ilícitas, antiéticas, desonestas...
Precisamos dar bons exemplos, afinal, um bom exemplo, na prática, vale mais do que mil palavras. Faça a sua parte e contribua para um Paraná cada vez melhor. Dissemine a ideia de um Paraná sem Corrupção.

Compartilhar esta notícia

Publicidade