Política

“Realizamos 95% daquilo que estipulamos em 2017”, expõe Norberto Pinz

Apesar das dificuldades que muitos municípios sentiram ao longo do ano passado, prefeito de Nova Santa Rosa comemora resultados e conquista de investimentos
Prefeito de Nova Santa Rosa, Norberto Pinz: “No primeiro escalão não temos a pretensão (em mudar). Acredito que todos são parceiros e vão ficar pelo menos neste ano” (Foto: Maria Cristina Kunzler/OP)

Embora 2017 tenha sido marcado pelas dificuldades financeiras, instabilidade econômica e turbulência política, muitas prefeituras conseguiram se desvencilhar da situação nacional para fechar o ano com bons números. É o caso de Nova Santa Rosa, que conseguiu fazer investimentos e ao mesmo tempo alcançar um superávit de aproximadamente R$ 4,1 milhões, sendo R$ 2,6 milhões em recursos livres.

Em entrevista ao Jornal O Presente, o prefeito Norberto Pinz (MDB) enaltece que um dos grandes focos da administração, como neste ano, está em realizar mais trechos com pedras irregulares, até em razão da economia local ser essencialmente agrícola. Ele também revela que para a eleição os apoios para os hoje pré-candidatos não estão definidos e avalia que as urnas poderão mostrar se o MDB pode se enfraquecer ou não com eventuais saídas de prefeitos e deputados. Contudo, Pinz garante: permanece no partido. Confira.

O Presente (OP): Diante do cenário político e econômico no Brasil de 2017, que foi turbulento, como o senhor avalia o ano do ponto de vista de gestão administrativa municipal? Foi possível se desvencilhar da crise nacional?

Norberto Pinz (NP): Sim. Lógico que afeta, mas a administração do nosso município foi muito bem. Fomos muito bem neste ano e reduzimos logo no início o nú- mero de secretários e a máquina administrativa. Ao longo de 2017 permanecemos apenas com cinco secretários. Por isso conseguimos um resultado satisfatório e fazer grandes projetos. Não conseguimos executar tudo o que gostaríamos, mas podemos dizer que realizamos 95% dentro daquilo que estipulamos na nossa administração para 2017.

OP: O senhor já tinha sido prefeito em outras duas oportunidades. Considera que 2017 foi um ano mais desafiador do que imaginava, até comparando com as gestões passadas?

NP: Foi desafiador. Foi muito mais (do que imaginava). Acredito que o mundo gira tão rápido, as coisas são mais ágeis e precisamos agir em todas as maneiras. É muito mais desafiador, mas penso que mesmo assim ainda fizemos um grande ano e uma administração muito boa.

OP: O senhor pretende manter a equipe de governo reduzida ou avalia novas nomeações?

NP: Podemos até avaliar. Há algumas pendências em certas secretarias e existe a possibilidade de ampliarmos mais dois secretários visando uma administração muito melhor. Aqui no município existe a deficiência na assistência social e dificuldade na indústria e comércio, principalmente nestas secretarias.

OP: O objetivo seria distribuir melhor os trabalhos?

NP: Sim, distribuir os trabalhos para que tenhamos uma equipe um pouco maior para somar conosco e fazermos um trabalho melhor.

OP: Já existem nomes para ocupar estes cargos?

NP: Não, pois ainda não conversamos com nossa equipe a respeito disso.

 

 

 

Essa entrevista completa você encontra em nossa edição impressa desta terça-feira (09).