Dom João Carlos Seneme

A abundância do Reino de Deus

 

Queremos seguir Jesus de perto, acompanhar seus gestos e deixar que suas palavras nos mostrem o caminho do Reino de Deus. Por isso é importante situar o Evangelho em nosso contexto de vida para dar respostas adequadas aos problemas e dificuldades de hoje.

O evangelho deste domingo (20) relata a primeira manifestação de Jesus como o Filho de Deus. O ambiente é uma festa de casamento em Caná da Galileia. A mãe de Jesus estava lá, Jesus e seus discípulos também. O amor conjugal sempre foi usado na Bíblia para expressar a experiência do amor entre Deus e o seu povo. Um amor que revela a inabalável fidelidade da parte de Deus.

O primeiro sinal (como o evangelista João gosta de se referir aos milagres de Jesus) revela a novidade que é a presença de Jesus no meio do seu povo. Ele inicia uma nova etapa na história da salvação: a transformação da água em vinho, a quantidade de vinho (600 litros) e a excelência do vinho revelam que Deus quer fazer uma nova aliança com a humanidade através de Jesus. Os homens e mulheres são convidados a participar desta festa e experimentar o amor de Deus sempre fiel às suas promessas. Jesus é o responsável por iniciar este novo tempo que culminará na realização do Reino de Deus na vida eterna.

Maria participa da missão de Jesus; ela é a mediadora entre a humanidade e Jesus. Sua missão é levar os homens e mulheres a Jesus.

Nas bodas de Caná, Maria, com o seu apelo de mãe, pede que Jesus antecipe o início dos eventos ou manifestações milagrosas e revele a sua missão salvadora. Através de sua intervenção, Jesus se revela ao mundo como o enviado do Pai. “A quem iremos, Senhor, tu tens palavras de vida eterna”. O que Ele tem a oferecer é a abundância do Reino de Deus.

O vinho (alegria) está se acabando e pode colocar em perigo a alegria e a festa do casamento. Maria, como toda mulher, está atenta aos mínimos detalhes e pede a Jesus que ajude, que “antecipe” a sua glória. Maria revela nesta atitude ser uma verdadeira discípula: atenta à palavra de Deus e pronta a agir. Ela coloca em prática o seu sim dado a Deus no momento do anúncio da sua gravidez: “Eis a serva do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra”.

Este mesmo texto evangélico nos leva a pensar sobre o sentido do matrimônio cristão. Ele é um sacramento e também um carisma, dom de Deus para revelar seu amor ao mundo através da união de um homem e uma mulher. Por isso o matrimônio não acontece somente entre duas pessoas; como carisma é um dom, um chamado. O casal assume naquele momento uma missão: amam-se mutuamente e sabem que este amor deve transbordar e atingir as pessoas ao seu redor e testemunhar esta união na vida da comunidade. Por isso é necessário a bênção da Igreja porque esta missão não é fácil. É necessária a força maior do doador dos dons, isto é, o Espírito Santo. É Ele quem renova e sustenta o matrimônio. Ele é dom de Deus por excelência, ensinar a amar e a doar-se. Todos os casais experimentam que Deus é fiel, foi Ele que lhes deu, um dia, a graça de se quererem bem, ele pode ressuscitar aquela graça e aquele bem do primeiro encontro e renovar a vida matrimonial. Peçam ao Senhor que os ajudem a renovar a aliança de amor para caminharem juntos para o amor eterno.

 

Dom João Carlos Seneme é bispo da Diocese de Toledo

revistacristorei@diocesetoledo.org

TOPO