Copagril – Sou agro com orgulho
Arno Kunzler

A crise dos contêineres

O que se esconde por trás da crise dos contêineres que o mundo está enfrentando?

A pandemia mexeu com todas as estruturas de abastecimento criadas ao longo de décadas e que pareciam sólidas e capazes de dar conta das demandas mais inesperadas.

Casa do Eletricista ROWA

Só que não. Elas não eram sólidas e não deram conta.

Nied 2021 K1

A primeira dificuldade surgiu logo no começo da pandemia, quando o mundo se deu conta que quase todos os remédios vinham da China e da Índia ou precisavam de algum ingrediente de lá.

Combate Max Natal

Bastavam esses dois países criarem dificuldades e o mundo não teria medicamentos para tratar seus doentes.

Rui Sonho nov/dez 2

Claro, o abastecimento voltou, mas os preços antigos não.

Depois vieram outras dificuldades, como as observadas no setor alimentício e na construção civil, para ficar nas duas mais acentuadas.

O abastecimento está se normalizando, mas os preços não.

Depois veio a crise dos equipamentos de tecnologia, chips para veículos, computadores, máquinas e celulares.

A reposição está voltando, mas os preços velhos, não.

A ameaça mais recente vem do setor de transporte marítimo.

Não temos contêineres para suprir as demandas do comércio internacional e muitos setores já estão estocando produtos porque o embarque está atrasando.

Outros segmentos estão sem mercadoria, porque os navios com os produtos não chegaram aos portos por falta de contêineres.

Claro, eles vão chegar e abastecer novamente o comércio, disso não temos dúvida.

Só que, em alguns casos, o frete internacional subiu de US$ 2,5 mil (por contêiner) para US$ 20 ou US$ 25 mil.

O mundo inteiro está correndo atrás de contêineres e criando mecanismos para agilizar o embarque e desembarque de produtos.

Estima-se que mais de 90% do transporte marítimo está concentrado nas mãos de quatro grandes grupos econômicos, que detêm uma espécie de monopólio dos contêineres.

Vivemos indiscutivelmente uma revolução, tanto da ciência, da indústria, do comércio como das políticas de desenvolvimento dos países.

Talvez não nos damos conta do tamanho e do impacto que esse momento está gerando nas economias dos países.

E nem estamos percebendo as oportunidades que estão surgindo diariamente em quase todas as áreas.

As pessoas sobreviveram à pandemia, mas muitas atividades e negócios terão que se reinventar.

O mundo jamais poderia imaginar que um dia viveríamos uma crise de contêineres e que isso faria alguns produtos custarem várias vezes mais.

Não, não é falta de energia elétrica, nem blackout do setor tecnológico, nem greve de caminhoneiros, nem guerra, é crise de contêineres.

Definitivamente o mundo pós-pandemia não será mais o mesmo.

 

Arno Kunzler é jornalista e fundador do Jornal O Presente e da Editora Amigos

Grupo Costa Oeste 2021

arno@opresente.com.br

TOPO