Ecoville – Maior rede de limpeza
Editorial

A novela do lixo

 

Vira e mexe o assunto ressurge. Às vezes por algum comentário entre vizinhos, às vezes entre colegas de trabalho, na roda de bate-papo de amigos e por aí vai. A redação de O Presente, por sinal, com frequência recebe reclamações de leitores e internautas sobre o tema.

Estamos falando sobre o recolhimento de lixo reciclável em Marechal Cândido Rondon. Há tempos é assim. Altos e baixos. Não há uma regularidade, como no caso do lixo orgânico. Por isso, sempre tem alguém falando.

Casa do eletricista TRATAM. E ACESS.

Atualmente, a coleta do lixo bom é feita por duas entidades no município – a Cooperativa de Agentes Ambientais (Cooperagir) e a Associação de Catadores Amigos da Natureza (Acan) -, as quais fizeram o mapeamento da cidade e cada uma cumpre diariamente o seu trajeto. No centro o recolhimento é diário, já nos bairros acontece semanalmente, contudo, nem sempre como a comunidade gostaria que ocorresse. Afinal, quem se policia e busca conscientizar a família toda, quem se esforça e guarda os materiais recicláveis a semana toda para na data prevista para o recolhimento depositar em frente de casa, quer ver os materiais sendo levados. Quando isso não acontece, a decepção é inevitável.

Parece que todo o esforço feito semanalmente é em vão. Não é legal ver sacolas acumuladas em frente a residências, empresas e edifícios, mesmo que seja de vez em quando, semanas sim, outras não. Neste contexto todo, até mesmo os mais conscientes da importância de separar o lixo bom para ser reaproveitado desanimam. Muitos, inclusive, desistem…

É necessário, obviamente, reconhecer a importância das duas associações de catadores que trabalham no recolhimento do lixo bom no município, seja para gerar postos de trabalho, manter a cidade em dia e/ou despertar nos cidadãos a consciência de separar orgânico e reciclável, no entanto, há também que se pontuar que é preciso melhorar.

Uma das soluções para tanto seria entrar em contato com estas entidades e avisar sobre os problemas registrados e os recolhimentos não realizados. A prefeitura, por sinal, também tem interesse em saber sobre o andamento dos trabalhos. Então, se houver falhas, maiores ou menores, a Secretaria Municipal de Agricultura e Política Ambiental pode ser avisada. O intuito é sempre buscar melhorar. Inclusive, no início do ano serão distribuídos panfletos com imã de geladeira para as pessoas ficarem atentas ao dia do recolhimento, além de sacos específicos para estimular o hábito de separar o lixo reciclável.

O que não se pode, diante das falhas, é desanimar ou desistir. Reciclar é preciso e de forma geral Marechal Cândido Rondon já deu grandes passos neste sentido. O que acontece hoje é fruto de sementes plantadas lá atrás. O trabalho dos catadores é de suma importância, e sempre vai ser. Assim como é fundamental a consciência da população nas atitudes do dia a dia, separando o lixo bom do orgânico, em prol do meio ambiente. Se há aspectos que geram reclamações, está na hora de buscar melhorias, apenas isso, para que o projeto tenha sequência e se torne cada vez mais bem-sucedido no município.

TOPO