Copagril – Sou agro com orgulho
Dom João Carlos Seneme

A palavra que liberta

O texto do evangelho deste domingo (31) de São Marcos constitui o início de uma unidade literária que prosseguirá no domingo seguinte (07). É chamada “jornada de Cafarnaum”. Aqui é apresentada o dia a dia de Jesus, uma espécie de paradigma da atividade profética do Messias no meio de seu povo.

A primeira parte da vida pública de Jesus aconteceu na Galileia, região Norte de Israel. O cenário do nosso evangelho é a cidade de Cafarnaum, situada às margens do mar da Galileia. A sinagoga fica a poucos metros da casa de Simão e André, onde Jesus passou a morar depois que deixou a sua aldeia, Nazaré.

Casa do Eletricista – BOBCAT

Sábado é um dia sagrado para os israelitas, “dia de descanso como ordenou Deus” (Ex 20, 8-11); dia para relembrar as grandes ações de Deus na caminhada com seu povo no intuito de libertá-lo e salvá-lo. Depois da destruição do templo, durante o exílio, os israelitas se reuniam na sinagoga para rezar, ler os livros da lei. Tornou-se, então, um lugar de reunião para a liturgia de sábado e interpretação da lei.

Marcos insiste em afirmar que Jesus inicia sua missão em um dia sagrado para os judeus, sábado, num lugar também sagrado, em uma sinagoga, onde ensina como um verdadeiro mestre, com autoridade. É ali que Jesus fala pela primeira vez como mestre. Seu ensinamento revela uma autoridade pessoal, diferente daquela dos outros mestres, e provoca admiração.

De repente a realidade sagrada é transformada pela presença de “um homem possuído por um espírito mau”. Naquele tempo qualquer doença que alterasse o comportamento das pessoas era considerada como possessão demoníaca. As pessoas afetadas tornavam-se prisioneiras do mal e não podiam mais cumprir a lei. Por isso eram afastadas da vida da comunidade. Acreditava-se que só Deus, com o seu poder e autoridade absolutos, era capaz de vencer os espíritos maus e restituir a vida e a liberdade perdidas.

A presença de Jesus provoca uma reação neste homem: ele grita, tem medo e reconhece Jesus como o Messias, o Santo de Deus. Jesus, então, o intimida e liberta o homem de seu sofrimento com o poder de suas palavras. Com esta atitude ele revela sua missão: a libertação que Deus quer oferecer à humanidade está acontecendo através dele. O Reino de Deus está sendo instaurado pela palavra e ação de Jesus.

Jesus, o profeta, somente com sua palavra é capaz de restituir o ser humano a Deus e a si mesmo, na dignidade e na verdade.

“É extraordinário perceber como as palavras ditas com cuidado e amor (pedagogia de Jesus) produzem efeitos benéficos para o ser humano. Essas palavras são bem-aventuradas, pois são capazes de fazer crescer, sustentar, edificar as pessoas para o convívio social, humano-afetivo, espiritual. São palavras que trazem luz e calor, infundem confiança e segurança” (Padre Adroaldo Palaoro).

 

O autor é bispo da Diocese de Toledo

revistacristorei@diocesetoledo.org

 

TOPO