Pastor Mário Hort

A vida na glória da segunda etapa antes do juízo final – 5ª parte

 

A glória da segunda etapa não existe para quem não busca a Deus enquanto há tempo. Para eles existe apenas o terror do sofrimento do homem rico, que pediu que Lázaro molhasse a ponta do dedo na água e refrescasse a sua língua, porque ele estava sofrendo no fogo.

É lamentável que milhões de cristãos são despedidos com as palavras enganadoras “Agora ele está num lugar bem melhor”.

“Deus vai dar um lugar para ele!”, disse um alcoólatra na despedida de seu amigo de bebedeiras. É engano fatal achar que “Deus vai dar um jeitinho para todos”. Quando alguém é chamado por Deus, todos são declarados “santos”; essa é uma “fé” que leva multidões para o sofrimento.

A vida em glória eterna começa imediatamente após o que escolhemos para a eternidade.

 

Os mortos dormem esperando o dia do juízo final?

Temos colocações na Escritura que parecem ensinar que nessa época os humanos estão dormindo até o último dia do juízo. Um texto que poderia ser entendido assim está em 1 Tessalonicenses 4:13: “Irmãos, não queremos que vocês sejam ignorantes quanto aos que dormem, para que não se entristeçam como os outros que não têm esperança”.

Porém, o mesmo apóstolo Paulo diz, em 2 Coríntios 5:8: “Entretanto, estamos em plena confiança, preferindo deixar o corpo e habitar com o Senhor”. Paulo sabia que ele estaria com o Senhor, nas moradas que Jesus foi preparar. (João 14:1-2)

O homem rico e Lázaro, ambos estavam em estado lúcido e com sentimentos de glória e de sofrimentos. Portanto, a palavra “dormir” deve ser interpretada como de “escrita suave”, referindo-se aos familiares que partiram.

No monte da transfiguração de Jesus os discípulos ouviram Jesus “conversando”: “Ali, eles viram a aparência de Jesus mudar: o seu rosto ficou brilhante como o sol e as suas roupas ficaram brancas como a luz. E os três discípulos viram Moisés e Elias conversando com Jesus”. (Mateus 17:2-3)

Na segunda etapa da existência humana há vida, comunhão, gozo e alegria, na comunhão dos santos, imediatamente ao chegarmos ao além.

Jesus disse que ele estaria no paraíso, logo após a sua morte, e com ele o criminoso, quem foi o primeiro salvo pelo sangue derramado de Jesus, na cruz do calvário.

A glória e o gozo eterno começam quando o Senhor nos chamar para o outro lado.

Estaremos com Jesus e os nossos familiares a partir daquele momento que seremos considerados dignos, de subir e estar com o Senhor para sempre e sempre.

 

Mário Hort, o autor é pastor da Igreja de Deus no Brasil em Marechal Cândido Rondon

ecosdaliberdade@yahoo.com.br

 

TOPO