Editorial

Adelante

Começamos o ano com muitas expectativas positivas, afinal, 2020 prometia muita coisa boa. Tinha tudo para ser excepcional. O otimismo era geral.

Retomada da economia e dos empregos, conclusão de mandatos, muitos deles com significativas obras a serem iniciadas e/ou concluídas, a iniciativa privada empolgada, investimentos aparecendo de todos os lados…

Casa do Eletricista – TORNEIRAS ELÉTRICAS

De repente, num piscar de olhos, os ventos mudaram e os rumos também. Nem o cidadão mais pessimista poderia imaginar que chegaríamos em abril com muitos “baldes de água fria”.

Em poucas semanas, os cenários são outros e hoje, por mais otimista que se busque ser, é difícil acreditar em crescimento econômico, em obras a todo vapor, em oferta abundante de empregos, em investimentos expressivos…

Não precisa ser especialista para visualizar as dificuldades que os brasileiros terão pela frente, por muitos e muitos meses.

Os efeitos da pandemia do novo coronavírus, infelizmente, ainda darão muito o que falar.

Nos governos, assim como muitas autoridades já declararam, o orçamento será revisto. Muitos recursos terão que ser redirecionados. Os governos estadual e federal, este principalmente, terão que rever muitos projetos e empregar verbas que antes seriam usadas em tantas outras iniciativas para socorrer os mais necessitados, os empresários, os microempresários, os autônomos e tantos outros profissionais. Dar suporte, inclusive, para os desempregados. Sim, porque o desemprego inevitavelmente vai aumentar.

Se bobear, passarão os próximos anos “tapando furos”, “buracos” e se reinventando, tamanho o desafio que terão pela frente.

Os empresários, ao menos a maior parte deles, terão que se virar nos 30 para se recompor e manter suas equipes, achar soluções e buscar estratégias para ver o dinheiro entrar no caixa de seus empreendimentos, uma vez que as vendas não seguirão a todo vapor, como em outros tempos, considerando que o medo do desemprego fez as famílias direcionarem seus gastos para produtos básicos de alimentação e higiene pessoal e “fecharem as mãos”.

Alguns setores não sentirão tanto os reflexos da “crise do coronavirus”, já outros serão mais duramente castigados. Outros, é verdade, sequer sentirão, principalmente os ligados à venda de alimentos e medicamentos.

Os cenários, de qualquer forma, de qualquer ângulo que se olhe, são desanimadores.

Em nossa região, soma-se a isso, a agricultura, que é a base da economia da maior parte dos municípios, apesar de ter vindo de uma supersafra, com uma colheita de encher os olhos e produtividade recorde, terá dificuldades pela frente. Mal se pôde comemorar os bons índices do verão e a estiagem prolongada, histórica, diga-se de passagem, já começa a dar as caras, apontando perdas para a safrinha de inverno.

No Oeste do Paraná, aproximadamente 50% das lavouras cultivadas com milho podem estar comprometidas devido à falta de chuva expressiva dos últimos meses.

É uma das piores estiagens vividas pelo Estado, com chuvas abaixo da média histórica entre os meses de junho de 2019 a março de 2020 em cidades de todas as regiões, com uma redução média na precipitação de 33% nos municípios.

Não está fácil; ou melhor: 2020 promete mesmo ser um ano difícil, de imensas dificuldades.

Mas, diante de tanta coisa ruim, diante de tanta previsão negativa, é possível virar a página. Já diziam os grandes pensadores: no meio da dificuldade encontra-se a oportunidade.

E é fato, o pessimista vê dificuldade em cada oportunidade; o otimista vê oportunidade em cada dificuldade.

Trazer isso para a prática, para a realidade, não é fácil. Claro que não é. Contudo, se analisarmos a fundo, a maioria das coisas que queremos para nós ou projetamos para nossas vidas não são fáceis de serem alcançadas. O caminho sempre tem obstáculos, e muitos. Ainda assim, se quisermos chegar lá, teremos que seguir caminhando.

Mais do que nunca, agora, é preciso motivação e persistência para tocar o barco, afinal, como muito se falou por esses dias, estamos na mesma tempestade, mas não no mesmo barco.

É tempo de canalizar energias positivas e focar para cada um, dentro do seu barco, encontrar alternativas.

Quem seguir se lamentando vai patinar. Quem correr atrás do prejuízo vai avançar.

Adelante! Os passos precisam ser para frente…

TOPO