Copagril – Sou agro com orgulho
Pref. Marechal CORONA 2021
Ford KA Fev 2021
Silvana Nardello Nasihgil

Amor: exercício diário de reciprocidade

Muitas vezes temos dificuldades básicas de expressar o que sentimos e esquecemos que a palavra certa, a atitude certa, na hora certa, tem poder de acolher, de curar e de tornar a nossa vida e a vida do outro mais significativa e feliz.

Muita gente sente coisas lindas, mas por travas interiores tem dificuldade de se expressar, deixa o outro sem saber sobre os seus sentimentos, estendendo uma impressão de tanto faz quando a vontade interior é de ficar para sempre.

Casa do Eletricista – 99% dos problemas

Como sempre digo: as pessoas não têm bola de cristal, não são adivinhas e não podem simplesmente desconfiar o que vai na mente e no coração de alguém.

Conviver com alguém, amar e ser amado(a), está muito além do sentimento íntimo. Se não for partilhado de nada valerá.

O amor se sustenta através de atitudes e palavras, só a presença não diz muita coisa, porque a gente precisa dar sentido àquilo que sente.

Quando esse tipo de dificuldade toca em nós, precisamos saber o que ainda não está curado no nosso existir. Onde existe medo, vergonha, receios de toda natureza que impedem de demonstrarmos o que sentimos, de sermos inteiros nas nossas relações, algo está aprisionando o melhor de nós.

Muito se ouve: não podemos dar de nós aquilo que não conhecemos. Uma afirmação justa e verdadeira, mas que ao saber sobre ela, portas são abertas dentro de nós que nos permitem buscar curar essa dificuldade para que mudanças positivas venham a acontecer.

O amor é um exercício diário de reciprocidade, ele jamais se sustentará quando não visto, acolhido, sentido e partilhado. Saber dizer sim e não, elogiar, pedir ajuda, falar que ama, pedir perdão, perdoar, são partes importantes de relações verdadeiras. Não tem como desejar viver uma relação de verdade quando não somos de verdade, quando só parte de nós está presente e quando guardamos intimamente o que precisa ser dito.

O respeito pelo sentimento do outro vem através daquilo que demonstramos, pois só isso tem o poder de sustentar o desejo de permanecer. Esse comportamento precisa ser alimentado constantemente. Quem não entender isso pode estar perdendo dias preciosos de vida e parcerias incríveis. Importa muito fazermos a nossa parte, ter a certeza que fazemos o que precisa ser feito. Se o outro não acompanhar e não entender, isso já não cabe a nós. Então podemos ir embora confiantes que não foi por não termos feito a nossa parte, mas porque o outro não consegue ou não quer o mesmo que nós.

Abrace com palavras, já que não estamos podendo abraçar fisicamente; busque demonstrar seus sentimentos de alguma forma; faça o outro saber o quanto ele é especial para você. Isso serve para todas as relações onde existe amor e a intenção de permanecer.

Se permita ser inteiro(a), verdadeiro(a), uma ponte do bem. Isso pode fazer toda a diferença em dias cinzentos.

 

Silvana Nardello Nasihgil é psicóloga clínica com formação em terapia de casal e familiar (CRP – 08/21393)

silnn.adv@gmail.com

TOPO