Paraná Produtivo - ADI-PR

Apenas metade das lavouras de milho do Paraná está com boa qualidade, informa Deral

Lavouras de milho
Apenas metade das lavouras de milho do Paraná está com boa qualidade, segundo relatório do Departamento de Economia Rural (Deral), ligado à Secretaria de Agricultura do estado. Com a estiagem severa na segunda safra do grão, 53% das plantas mantém boas condições, 36% estão em condições médias e 11% com condições ruins. No último levantamento divulgado na semana anterior, 61% das áreas mostravam boas condições. A segunda safra de milho já vinha sofrendo com um plantio mais concentrado por conta do atraso do ciclo da soja e esse atraso coincidiu com a estiagem, que está em todo o estado e se concentra nas regiões oeste e norte do Paraná. A tendência é que a estiagem logo acabe e as chuvas voltem, com pouca possibilidade de prejudicar a próxima safra.

Milho em alta

Casa do Eletricista – NÃO PAGUE AR

Os preços do milho registram alta de 4,67% no acumulado de maio, segundo a consultoria Agrifatto. A empresa ressalta a diferença no desempenho do cereal ao longo deste mês, já que em abril, o grão tinha acumulado queda de quase 20%. “Com grande parte do plantio feito dentro da janela ideal, a colheita nos principais estados produtores deve começar daqui um mês no país, e a partir daí o mercado irá se preparar para receber as mais de 70 milhões de toneladas que deverão ser colhidas”, cita a empresa. Nos EUA, com previsões climáticas melhores e expectativa de estoques volumosos, as cotações do milho fecharam com leve queda de 0,24%, apesar das vendas externas de cereal terem crescido no comparativo semanal. No entanto, tal fato não foi suficiente ainda para dar sustentação ao mercado norte-americano.

Fábrica no Paraná
A Volkswagen do Brasil anunciou que vai reiniciar as atividades em sua fábrica localizada em São José dos Pinhais em 18 de maio. As demais unidades fabris da empresa localizadas em São Paulo (São Bernardo do Campo, Taubaté e São Carlos) têm previsão para retornarem à operação no final de maio. As medidas de higiene e segurança para proteger a saúde dos empregados foram expandidas e baseadas nas experiências das fábricas do Grupo VW na China e Alemanha, em conformidade também com protocolos internacionais. A VW de São José dos Pinhais começará o retorno de forma gradual. A primeira linha de produção a ser retomada será a do SUV T-Cross. Serão dois turnos em ritmo mais lento, com empregados respeitando o distanciamento social recomendado, e com a curva de aceleração visando atender a demanda do mercado.

Exportação do agronegócio
As exportações do agronegócio em abril atingiram o maior valor para mês, de acordo o Ministério da Agricultura. As vendas para o exterior somaram US$ 10,22 bilhões, superando o recorde registrado em abril de 2013 (US$ 9,65 bilhões). Na comparação com o mesmo mês de 2019, o valor foi 25% maior, quando o país negociou US$ 8,18 bilhões em produtos agropecuários. O recorde foi obtido, segundo o ministério, em função, principalmente, do incremento das vendas de soja em grão, que cresceram 73,4% de um ano para o outro, com 16,3 milhões de tonelada. O faturamento foi de US$ 5,46 bilhões. A China foi o principal mercado importador do produto brasileiro, com a compra de 11,79 milhões de toneladas.

Venda de máquinas
Em abril, as vendas das máquinas agrícolas somaram 2.404 unidades, queda de 41,8% ante o volume comercializado em março, segundo dados da Associação Nacional de Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). Para o presidente da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), João Marchesan, a retração é um reflexo da paralisação das fábricas durante o mês passado, devido à pandemia do covid-19. Mas a perspectiva de Marchesan é que haja uma retomada de vendas no segundo semestre. “A gente entende que os fundamentos dos mercados permanecem firmes e que a retomada se dará a partir do mês de maio”, afirma.

Volvo venda online
A Volvo lançou um feirão online para venda de caminhões seminovos na rede de concessionárias da marca. A campanha começou no último dia 15 e se estende até 29 de maio. Os interessados poderão fazer tudo praticamente pela internet ou por telefone. É a segunda edição de uma promoção virtual de venda de veículos seminovos. O objetivo é contribuir com medidas mais seguras e evitar contato próximo dos clientes com outras pessoas durante a pandemia. O primeiro feirão online foi realizado de 13 a 30 de abril e teve grande sucesso. Nesta nova campanha, a Volvo está oferecendo 320 caminhões que estão distribuídos nos 32 pontos de venda da rede de seminovos da marca e nos estoques das quase 100 casas que formam a rede de concessionárias Volvo em todo o território brasileiro.

Produção industrial
A produção industrial registou queda, na passagem de fevereiro para março, em todas as 15 regiões pesquisadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), conforme dados divulgados na última quinta-feira, 14. Foi a primeira vez na série histórica da pesquisa, iniciada em 2012, que houve queda em todos os locais. O mais próximo desse resultado aconteceu em maio de 2018, com a greve dos caminhoneiros, que derrubou a produção industrial em 14 dos 15 locais. No Paraná a queda foi de 4,9%. Os maiores tombos em março ocorreram nas indústrias do Ceará (-21,8%), no Rio Grande do Sul (-20,1%) e em Santa Catarina (-17,9%). Na média geral do país, a produção industrial desabou 9,1% em março, na comparação com fevereiro. Foi o pior resultado para meses de março da série histórica da pesquisa, iniciada em 2002.

Faturamento da indústria
O faturamento real da indústria caiu 4,8% em março em relação a fevereiro de 2020, mostra a pesquisa Indicadores Industriais, da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Em resposta à queda do faturamento as empresas reduziram o ritmo de operação, levando à queda das horas trabalhadas e, consequentemente, da utilização da capacidade instalada, diz a confederação. As horas trabalhadas na produção recuaram 1,8%, caindo para o menor nível da série histórica, e o emprego industrial caiu 0,7% nesse período, a maior queda mensal desde 2016. A Utilização da Capacidade Instalada (UCI) recuou 2,5 pontos percentuais, para 76%, percentual bem próximo dos 75,9% registrados em maio de 2018, durante a paralisação dos caminhoneiros.

VBP do Brasil
O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) do Brasil deve atingir R$ 697 bilhões em 2020, alta de 8,6% em relação ao ano anterior e maior nível da série histórica de 31 anos, disse o Ministério da Agricultura na última quarta-feira, 13. A pasta destacou que o valor das lavouras tende a apresentar crescimento de 10,4% neste ano, a R$ 462 bilhões, enquanto a pecuária deve apurar avanço de 5,4% na comparação anual, para US$ 234,9 bilhões.  Mesmo em meio à pandemia de covid-19, o Brasil tem apresentado resultados fortes de exportação. A soja, principal produto exportado pelo país, teve em abril um recorde mensal de mais de 16 milhões de toneladas embarcadas, por exemplo. Além da oleaginosa, o ministério também destacou exportações de milho e das carnes suína e de frango do país, citando dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos que indicam que os embarques desses produtos em 2020 superam os níveis dos últimos cinco anos.

Energia renovável
No Brasil estima-se que até 2024 mais 1,2 milhão de consumidores passem a produzir sua própria energia, o equivalente a 4,5 gigawatts (GW) de potência instalada. No Paraná a adesão a esse tipo de energia tem aumentado significativamente nos últimos anos. Segundo levantamento feito pelo Conselho Regional de Engenharia e Agronomia do Paraná (Crea-PR), em 2019 foram 2.506 pedidos de instalação, e de janeiro até maio deste ano já são 1.370 solicitações em todo o Estado. Em 2019 o aumento na procura foi de 481% no Estado, comparado com o ano anterior, já no primeiro quadrimestre de 2020 esse índice chegou a 55%. A região Oeste do Paraná é destaque na procura por esse tipo de energia limpa. Na Regional Cascavel, em 2018 foram solicitadas 292 instalações, em 2019 foram 782 – aumento de 276% nos dois últimos anos. No primeiro quadrimestre de 2020 foram 389 pedidos.

Atividade econômica
Com os efeitos da pandemia do covid-19, a atividade econômica registrou queda no primeiro trimestre neste ano. É o que mostra o Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), divulgado na última sexta-feira, 15, pelo Banco Central. No primeiro trimestre, comparado ao período anterior (outubro, novembro, dezembro de 2019), o índice apresentou queda de 1,95%, segundo dados dessazonalizados (ajustados para o período). Já na comparação do primeiro trimestre deste ano com o mesmo período de 2019, a queda ficou em 0,28%. Em março, mês do início de medidas de isolamento social necessárias para o enfrentamento da pandemia, houve recuo de 5,90%, na comparação com fevereiro. Esse foi o pior resultado mensal desde o início da série histórica, em janeiro de 2003. Em relação a março de 2019, a queda chegou a 1,52%. Em 12 meses terminados em março de 2020, houve expansão de 0,75%.

Motoristas de aplicativo
Os aluguéis de veículos despencaram no Brasil com o avanço da pandemia do coronavírus. Só entre os 200 mil carros alugados para motoristas de aplicativos, aproximadamente 160 mil já foram devolvidos desde o início da quarentena, há 2 meses. A justificativa é que a redução da procura pelo transporte gera uma dificuldade para que profissionais arquem com os custos dos aluguéis. A Associação Brasileira das Locadoras de Automóveis (Abla) afirma que “há um movimento das locadoras para auxiliar a retomada desses profissionais do volante entre seus principais clientes de aluguel de automóveis”, como descontos para trabalhadores de apps. Com a pandemia, todos os segmentos de aluguéis tiveram baixa, segundo a associação. Entre as locações diárias, que podem ser feitas por qualquer pessoa, a queda é de 90%. As locadoras têm 480 mil veículos destinados para esta modalidade, mas 430 mil estão parados.

 

Redação ADI-PR Curitiba
Coluna publicada simultaneamente em 20 jornais e portais associados. Saiba mais em www.adipr.com.br.

TOPO