Pastor Mário Hort

As fontes do Rio Jordão – 4ª parte

Desde Tel Aviv cruzamos as terras de Israel (200 quilômetros) até ao ponto máximo ao Norte, a divisa com a Síria e o Líbano, aos pés do monte Hérmon, com 2.814 metros de altitude, junto às três nascentes que formam o Rio Jordão: a nascente de Dan, Banias e Chat Sisani.

Chegamos até a nascente de Dan, em terras de Israel (área ocupada das Colinas de Golã), em frente ao Monte Hérmon, e vimos os postos da fronteira dos dois países vizinhos, no alto das montanhas.

Queremos descobrir as três fontes do “Rio Jordão” em Jesus:

 

  1. Precisamos da fonte do Pai, do Filho e do Espírito Santo

Assim como o Rio Jordão tem três nascentes, também nós, como filhos de Deus em Jesus Cristo, precisamos do Espírito Santo para viver das águas de Jesus que disse: “Portanto, vão e façam discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a obedecer a tudo o que eu lhes ordenei. E eu estarei sempre com vocês, até o fim dos tempos” (Mateus 28:19,20).

“No entanto, quando o Espírito da verdade vier, Ele vos guiará em toda a verdade… O Espírito me glorificará, porque receberá do que é meu e vos anunciará (João 16:13-14).

“… O Espírito de Deus habita em vós. Mas, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele (Rom 8:9).

 

  1. Precisamos da fonte do conhecimento

A arqueologia se tornou um dos mais importantes “mestres” da verdadeira história. Sem os arqueólogos jamais teríamos as provas que as escavações trouxeram. A Escritura diz: “O meu povo perece por falta de conhecimento” (Oseias 4:6).

Cristãos facilmente são enganados por falta de conhecimento das fontes, raízes e procedências dos ensinamentos, e logo são roubados por “comerciantes” do evangelho, que se aproveitam da falta de conhecimentos profundos da fé cristã.

Venha conosco para as “fontes do Rio Jordão” que deve ser uma fonte a jorrar para a vida eterna, conforme disse Jesus: “Aquele que beber da água que eu lhe der, a água se tornará nele uma fonte a jorrar para a vida” (João 4:13).

 

  1. Precisamos da fonte da obediência

No início dos anos 70, após a década dos hippies, ouvimos de grandes movimentos de conversões, por parte dos jovens que até então desejavam viver uma vida sem compromissos.

Estes hippies se converteram e não havia igreja para doutrina-los. Então eles tomavam a Bíblia a liam em conjunto e obedeciam praticando exatamente o que achavam escrito na Escritura Sagrada. Celebravam a Ceia, batizavam, lavam os pés uns dos outros.

Encontrei um jovem na Holanda que se converteu sozinho lendo a Bíblia. Quando chegou ao texto que ordenava o batismo, ele entrou sozinho no mar, na África do Sul, e se batizou a si próprio, pois queria obedecer ao texto sagrado.

É óbvio que a igreja o batizou, de forma ordeira e bíblica, após ouvir o seu testemunho.

 

Mário Hort, o autor é pastor da Igreja de Deus no Brasil em Marechal Cândido Rondon

ecosdaliberdade@yahoo.com.br

 

TOPO