Copagril
Elio Migliorança

BOAS E MÁS IDEIAS

Este espaço tem sido em elo com milhares de leitores, que se manifestam nos momentos mais inesperados. Numa fila de banco, na rua, em reuniões, num estabelecimento comercial, numa festa pública ou através da internet. E destes contatos surgiram centenas de ideias ou sugestões, boas e más, de direita ou esquerda, radicais ou não, mas, todas foram acolhidas, porque este espaço é democrático. Publicá-las é uma forma de contribuir para uma reflexão equilibrada dos problemas que enfrentamos e do futuro que estamos construindo. Embora de forma tímida, muitos brasileiros estão ligados no Produto Interno Bruto (PIB) que ficou muito aquém do anunciado pela área econômica do governo. Preparar o Brasil para o futuro passa por investimento em infraestrutura e ampliar a nossa malha ferroviária, afinal os países desenvolvidos investem em ferrovias desde o século passado. Nosso transporte é rodoviário com péssimas estradas. Construir novas ferrovias e ampliar as existentes vai baratear o transporte e aumentar o lucro. Outro leitor analisa o “vale cultura”. Parecia uma boa ideia, mas é pura política. Já temos “vales” demais. Chega de tornar o povo cada vez mais dependente do governo. Vamos investir para desenvolver o país e dar a todos oportunidade de trabalho e com isso renda digna. Sem a doação pura e simples, que abre as portas para novas formas de corrupção. Uma boa ideia será extinguir pelo menos dez ministérios, ao invés de criar mais um para cada novo partido que surge, e utilizar o dinheiro economizado com tal medida para melhorar a saúde, educação e investir em segurança, afinal, a bandidagem anda fazendo a festa por aí, até na sempre bem comportada Santa Catarina.
Os agricultores clamam por um seguro agrícola decente. A safrinha está indo bem, mas uma geada ou seca no caminho podem acabar com o sonho de milhões de agricultores. Quem mais ganha com a produção é o governo, os impostos são altíssimos, então seguro decente é uma questão de justiça. Ideia podre esta de antecipar as discussões sobre as eleições de 2014, tanto no Estado como no governo federal. Que tal deixar para tratar disso a partir de maio do ano que vem e agora cuidar da administração, função para a qual estão sendo muito bem pagos? Afinal, foi para isso que os elegemos.
E já que o momento é da Lei Seca, que tal estender a outros crimes o mesmo rigor na fiscalização e detenção? Sim, porque se você roubar, assaltar, estuprar ou matar alguém, mas tiver um bom advogado, o máximo que vai acontecer é esperar o julgamento em liberdade e, se condenado, ir para o regime semiaberto.
Ou ainda se você roubar milhões de reais dos cofres públicos, dinheiro que é do povo, várias coisas podem acontecer: vai passar 15 dias num resort na Bahia em companhia da amante, vai ser empossado deputado federal, vai ser eleito presidente do Senado, vai ser nomeado para um alto cargo no governo, ou até algo mais.
Que tal declarar guerra a tudo isso e moralizar de vez este país? Basta uma boa dose de coragem, decência, moral e querer o bem do povo deste país.

TOPO