Copagril
Casa, bem me quer casa

Boeuf bourguignon

Ooiii!!

Lindezas com vocês o ícone da culinária francesa: o Boueuf bourguignon. Ele vai te fazer um carinho no estômago e alimentar o seu coração.  É uma ótima receita pra quem quer começar a se aventurar na culinária francesa.

Toda vez que faço, não sobra nem uma raspinha na panela. O cheiro invade a minha casa. É o melhor cheiro do mundo. Sem mentira. Quando você fizer, vai concordar comigo.

O segredo dessa receita está na hora de selar a carne. Pra que ela fique bem morena e bonita, precisa estar completamente seca. Isso significa que você precisa tirar toda a umidade com um papel toalha antes de fritar. Além disso, ajuda bastante fritar a carne aos poucos para que ela tenha espaço pra respirar.

Segundo Julia Child (a pessoa que trouxe a culinária francesa para os EUA e consequentemente para o mundo) acém é o melhor corte de carne para essa receita. Mas, eu usei músculo (rá)! Ela fala que testou com diversas carnes, mas essa se mostrou superior às outras. A idéia nessa etapa é dar cor à carne. Não se preocupe em deixá-la cozida agora.

Eu segui a receita da Bizu (FoodNetwork), mas tem várias. Eu gostei muito da forma como ela fez: rápido e não menos saborosa!

Na receita original, a Bizu, serviu e montou o prato com batatas assadas. Eu fiz com mandioca frita (assada), e ficou deeemais!

Vambora?!

 

Boeuf bourguignon

Boeuf:

  • 800gr músculo
  • 15ml colheres sopa de óleo de girassol
  • 1 talo salsão
  • 1 talo alho poró
  • 1 litro de vinho tinto seco
  • 2 folhas de louro
  • 150gr cenoura
  • Quanto baste de Tomilho
  • Quanto baste de alecrim (usei beeeeem pouco)
  • Quanto baste de sal marinho
  • Quanto baste de Pimenta do reino preta moída na hora

Couve:

  • 6 folhas de couve manteiga
  • 350ml óleo de girassol
  • Q.b sal marinho

Modo de Preparo:

Bouef:

Cortar o músculo em cubos grandes, temperar com sal e pimenta do reino, aquecer a panela de pressão com o óleo de girassol, selar os cubos de carne, acrescentar o salsão, o alho poró, 2/3 das echalotes, o vinho tinto, o louro, o tomilho e o alecrim, cozinhar em fogo baixo após pegar pressão por 40 minutos.

Descascar a cenoura, cortar na diagonal, cozinhar por 15 minutos na panela sem pressão junto com o restante da cebola.
Acertar temperos.

Couve:

Tirar o talo das folhas de couve, enrolar as folhas, cortar finamente.
Aquecer o óleo a 180graus, fritar a couve por imersão rapidamente e retirar o excesso de óleo com o papel.

Mandioca Frita de Forno:

Primeiro, você vai precisar cozinhar a mandioca na pressão. Para 1kl de mandioca, eu deixo 20 minutinhos, com água até cobrir as mocinhas. Não adiciono sal ainda. Elas devem ficar cozidas al dente, nunca mais duras. Se ficarem mais molinhas, não tem problema – no forno elas ficam durinhas.

Depois de cozida, você escorre a mandioca. Se quiser, já pode colocar direto no forno, mas se você deixar de um dia para o outro na geladeira, ela dá uma ressecada e fica ainda mais crocante.

Unte com óleo uma assadeira grande – de preferência antiaderente –, e coloque a mandioca já cortada ou despedaçada da grossura que preferir. Eu gosto bem fininha. Provavelmente você vai assar/fritar só metade da mandioca que cozinhou. Se colocar mais que isso na forma, ela vai ficar murcha. O segredo é espalhar bastante. Você ainda pode salpicar um alho, um tomilho, colocar um ramo de alecrim… Dá para abusar da criatividade.

Preaqueça o forno a 260ºC, bem alto, por uns 10 minutos. Leve a mandioca ao forno por uns 8 minutos. Daí vá dando uma mexida nelas de tempos em tempos para ficarem douradas por inteiro. Aqui, ficaram prontas em 20 minutos. Mas isso pode variar para mais ou para menos dependendo da potência do seu forno. Nada como a visão, o olfato e o paladar para testar: eu vou beliscando os tequinhos até ter certeza de que ficou do jeito que eu quero.


TOPO