Ecoville – Maior rede de limpeza
Paraná Produtivo - ADI-PR

Brasil nunca importou tantos agrotóxicos como em 2019

Importação recorde

O Brasil nunca importou tantos agrotóxicos como em 2019. Quase 335 mil toneladas de inseticidas, herbicidas e fungicidas desembarcaram no país de janeiro a dezembro. O volume é 16% maior do que em 2018 e é recorde para a série histórica iniciada em 1997, de acordo com dados do Ministério da Economia. O crescimento da importação segue a expansão das vendas dos agrotóxicos no país. Dados do Ibama mostram que em 2018 foram vendidas 549 mil toneladas de produtos – um avanço de 1,8% em relação ao ano anterior. Foram registrados no ano passado 474 novos pesticidas no Brasil, a maior quantidade dos últimos 14 anos. Desde 2017, essa liberação anual já estava acima de 400 produtos. Hoje, o país tem 2.247 agrotóxicos registrados.

Casa do eletricista PRESSURIZADORES

(Foto: Divulgação)

 

Exportadoras em Bogotá

Representantes da Organização das Cooperativas do Brasil (OCB) se reuniram com o embaixador do Brasil na Colômbia, Luís Balduino, em Bogotá. O objetivo foi apresentar o catálogo brasileiro de cooperativas exportadoras e discutir oportunidades de negócios e cooperação com o país vizinho. A equipe da OCB esteve na Colômbia para participar da primeira reunião do Conselho de Administração da Aliança Cooperativa Internacional para as Américas e aproveitou para contatar a representação diplomática do Brasil para apresentar o trabalho desenvolvido pela Organização e, claro, o potencial de exportações das cooperativas brasileiras.

 

Missão no México

A Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) está organizando uma missão para a Expo Antad, feira voltada ao setor de alimentos e bebidas que vai acontecer entre 28 de março e 04 de abril, em Guadalajara, no México. Trata-se de uma oportunidade para empresas do setor de alimentos e bebidas que desejam estar em contato com concorrentes do segmento, conhecer produtos novos de diversos países, realizar negócios, bem como fazer visitas técnicas a redes de distribuição e comercialização de produtos locais.

 

Acompanhamento

Quem integrar a missão terá acompanhamento técnico no local, visitas técnicas com intérpretes, credenciais para visitar a feira e a participação em encontros de negócios. O evento é voltado ao setor de varejo e toda a indústria de alimentos e vai reunir toda a cadeia produtiva, desde a distribuição (importadores, distribuidores, varejistas, supermercados, lojas de departamento, lojas especializadas), bem como o setor de serviços de alimentação (restaurante, redes de hotéis, salas de jantar industriais, fornecedores de navios de cruzeiro, etc.).

 

Confiança sobe

O Índice de Confiança da Indústria registrou alta pelo quatro mês consecutivo. Em fevereiro, o índice medido pela FGV subiu 0,5 ponto, chegando a 101,4 pontos, mesmo nível alcançado em março de 2018. Desde outubro de 2019 o índice avançou seis pontos. Segundo a FGV, o índice de confiança subiu em 12 dos 19 segmentos pesquisados na indústria. O que teve o melhor desempenho foi a percepção dos empresários em relação à demanda. O dado subiu de 97,7 pontos para 100,9 pontos, o maior nível desde dezembro de 2013, quando atingiu 101,8 pontos.

 

Incerteza na economia

Outro índice divulgado pela FGV foi o Indicador de Incerteza da Economia, que voltou a subir em fevereiro e atingiu 115,1 pontos, o maior nível desde setembro do ano passado, quando estava em 116,9. A pontuação está perto da média dos últimos cinco anos: 115 pontos. A FGV avalia que, nos últimos meses, o índice foi impactado pela guerra comercial entre Estados Unidos e China, pelo conflito entre Estados Unidos e Irã e pelo avanço da epidemia de coronavírus na Ásia e na Europa. A alta de 2,2 pontos em fevereiro se deu nos dois componentes do índice. O componente Mídia, que mede as notícias sobre a incerteza na economia na imprensa, contribuiu com 1,2 ponto para o aumento.

 

Forrageira

A Embrapa e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS) desenvolveram uma nova cultivar de forrageira com boa adaptação às condições de clima e solo da região Sul do Brasil. A variedade, de trevo-vermelho, deve ser lançada na 21ª edição da Expodireto Cotrijal em Não-Me-Toque (RS). A cultivar é recomendada para formação de pastagens consorciadas e para sobressemeadura em pastagens naturais na região. O trevo-vermelho, quando consorciado com gramíneas (azevém, aveia etc.) ou sobressemeado em campos naturais, incrementa a qualidade das pastagens por possuir elevado valor nutritivo. Por ser uma leguminosa, fixa nitrogênio atmosférico, reduzindo a necessidade de adubações nitrogenadas com o passar do tempo.

 

Pacote de concessão

O ministro Tarcísio Gomes de Freitas (Infraestrutura) projetou que o leilão do novo anel de integração rodoviário terá 4,1 mil quilômetros e deve gerar mais de R$ 100 bilhões em investimentos. O novo traçado incorpora ao polígono original (2,5 mil quilômetros) mais três rodovias estaduais – a PR-092 (Norte Pioneiro), a PR-323 (Noroeste) e a PR-280 (Sudoeste) -, trechos das BRs 163, 153 e 476 e contornos de Londrina, Ponta Grossa e Cascavel, que somam 1,6 mil quilômetros.

 

Leilão na Bolsa

O governador Ratinho Junior disse que o leilão será na Bolsa de Valores e a inclusão de rodovias estaduais atende demandas do setor produtivo e darão nova perspectiva de segurança para os motoristas em trechos com muitos acidentes. “Não vamos repetir o que não deu certo. Estamos trabalhando em parceria com o governo federal para ter os melhores e mais transparentes contratos, com mais investimentos e redução de pelo menos 50% nos preços”.

 

Duplicação

Ratinho Junior confirmou que o governo federal concordou em delegar ao Estado a BR-469, conhecida como Rodovia das Cataratas. A medida permite que a estrada seja duplicada, o que vai eliminar um gargalo logístico e melhorar o acesso ao aeroporto e aos principais pontos turísticos de Foz do Iguaçu. O projeto executivo já está pronto e a ordem de serviço deverá ser assinada em setembro. O investimento previsto no trecho de 8,5 quilômetros é de R$ 135 milhões, com o custo dividido entre o Estado (30%) e Itaipu Binacional (70%).

 

Lodo higienizado

A Sanepar está cadastrando produtores rurais da região metropolitana de Curitiba, Lapa, Porto Amazonas e Palmeira interessados na utilização de lodo de esgoto higienizado na safra agrícola 2020/2021. O lodo é indicado principalmente para culturas anuais como trigo, aveia, cevada, feijão, milho e soja. O uso é proibido em hortaliças e pastagens. O lodo pode substituir integralmente o uso de calcário e ainda dar aporte de matéria orgânica ao solo, além de nutrientes como nitrogênio, fósforo e enxofre.

 

Plano Safra

A Federação da Agricultura do Paraná, em conjunto com entidades do agronegócio estadual, enviou ao Ministério da Agricultura, o documento “Propostas para o Plano Safra 2020/21”. No total, as entidades reivindicam R$ 251,4 bilhões para o próximo ciclo, divididos entre programas de custeio, de apoio à comercialização e de investimentos. Além disso, a proposta também contempla o pedido de R$ 1,5 bilhão ao seguro rural. O documento foi elaborado em parceria com a Ocepar e a Secretaria Estadual de Agricultura, com contribuições de sindicatos rurais, produtores e cooperativas.

 

Redação ADI-PR Curitiba 

Coluna publicada simultaneamente em 20 jornais e portais associados. Saiba mais em www.adipr.com.br.

TOPO