Pastor Mário Hort

Como eu posso saber o que Deus me dirá no dia do juízo final? – 4ª parte

 

Toda busca religiosa é inútil se não temos a resposta correta para a pergunta acima. Todas as religiões têm como objetivo principal ser aceito no dia final.

Jesus disse: “Eu lhes asseguro: quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou tem a vida eterna e não será condenado, mas já passou da morte para a vida. (João 5:23,24)

Não precisamos temer o juízo final:

1) Se aceitamos a palavra de Jesus Cristo.

2) Se nascemos de novo pelo Espírito Santo.

3) Se vivemos pela fé em espírito e verdade, pois o Senhor dirá aos que estiverem à direita: “Venham, benditos de meu Pai! Recebam como herança o Reino que lhes foi preparado desde a criação do mundo. (Mateus 25:34)

 

A etapa da espera pelo juízo final após a morte:

Escrevendo o presente tema em Frankfurt, na casa da filha Djessica, comuniquei ao genro, pastor Maiko Müller, que eu descreveria o tempo de espera após a morte, à direita ou à esquerda, quando Maiko respondeu:

“Estou lendo o livro de N. T. Wright, ‘Surpreendido pela esperança’, e um de seus capítulos iniciais trata do tempo da vida entre a morte e o dia do juízo final. Wright, o renomado professor do Novo Testamento, diz: ‘A ressurreição não é o mesmo que a vida após a morte, mas ela demarca a vida da vida, após a morte”.

O pastor Maiko entendeu imediatamente que “a segunda etapa” se refere à vida, da vida após a morte, antes do último dia, o dia do juízo final.

 

O que acontece entre a morte e o dia do juízo final?

O maior e mais corrupto dos enganos religiosos foi a venda de indulgências, que oferecia a possibilidade de “comprar” a retirada de familiares falecidos do purgatório; isso foi “propina” cobrada pela igreja. E como fica a situação daqueles que não possuem familiares, nem amigos ou pessoas em condições de “pagar”?

A “propina” cobrada por religiosos para roubar os vivos foi a doutrina mais absurda e falsa da igreja cristã. E foi ela a causadora da ruptura do cristianismo em “antes e depois” da Reforma Protestante.

No último suspiro finda a última oportunidade de alguma mudança para o além. Nada pode ser acrescentado ou retirado de um testamento após a morte.

A Bíblia diz: “Está ordenado aos homens morrer uma só vez, vindo depois disso o juízo. (Heb. 9:27)

Segundo a Escritura Sagrada, existe um tempo entre o dia do juízo final, porém não existe a possibilidade de expurgar pecados ou mudar o veredito do juízo ou de uma segunda chance de uma reencarnação, pois é apenas o aguardo do dia do Senhor.

Jesus teve um diálogo com um dos criminosos, que se converteu conhecendo o Mestre ao seu lado, no alto da cruz. O criminoso disse:

“Nós estamos sendo punidos com justiça, porque estamos recebendo o que os nossos atos merecem. Mas este homem não cometeu nenhum mal”. Então ele disse: “Jesus, lembra-te de mim quando entrares no teu Reino”.

Jesus lhe respondeu: “Eu lhe garanto: hoje você estará comigo no paraíso”. (Lucas 23:41-43)

 

TOPO