Copagril
Dom João Carlos Seneme

Cristo ressuscitou, aleluia! Venceu a morte com amor, aleluia!

A solenidade da Páscoa é o grande dia para toda a humanidade: fomos resgatados pelo amor. Deus abre o coração, restabelece o diálogo e refaz um caminho novo de vida para todos nós através da ressurreição de Jesus. Fomos feitos criaturas novas, nascemos de novo, agora com uma perspectiva de esperança porque Jesus Cristo nos garantiu um lugar no paraíso. “Não tenhais medo. Sou eu, aquele que vive. Estive morto, mas agora estou vivo para sempre” (Ap 1,17-18).Começamos a celebrar este grande dia na longa vigília do Sábado Santo. Uma noite que começou com a bênção do fogo e da luz que foi iluminando o mundo como no dia em que criou a humanidade à sua imagem e semelhança. Através da palavra de Deus fomos refazendo, passo a passo, a história da salvação, a presença de Deus na humanidade desde a criação até a ressurreição.No evangelho deste Domingo de Páscoa, podemos perceber que o encontro com o ressuscitado não se dá de forma espontânea e natural. Ele acontece no meio das incertezas, medo, dúvidas. Maria Madalena vai ao sepulcro no meio da noite, é escuro ainda, fora e dentro dela, e não entende nada quando encontra o sepulcro vazio. Não consegue imaginar que a vida venceu a morte, que Jesus ressuscitou. Ela se sente perdida e corre para a comunidade. É ali que vai fazer a experiência da ressurreição junto com os outros porque colocam Jesus no centro de suas vidas. Eles precisarão mudar o modo de ver Jesus, que vai interferir na visão que têm do mundo, da religião. Maria Madalena é movida pelo amor ao mestre e o busca com todas as suas forças. Ele será encontrado não no mundo dos mortos. Aquele que vive deve ser buscado onde há vida. A vida cristã nasceu no dia da Páscoa do Senhor, por isso domingo se tornou o dia do Senhor. Todos os domingos a igreja nos recorda que a ressurreição de Jesus é o ponto central de nossa vida. Tudo o que existe é penetrado pela energia vital do ressuscitado; nossa vida é impulsionada até sua plenitude final, mesmo que, às vezes, não conseguimos ver, sentir. A força do ressuscitado está ali nos ajudando a caminhar, a criar um mundo novo. Por isso, ao celebrar a Páscoa, não podemos ser os mesmos de sempre; a vida mudou, nós mudamos porque um Espírito novo está dentro de cada um de nós. O ressuscitado está conosco, no meio de nossas fragilidades, sustentando para sempre a esperança, a bondade que renasce em cada um de nós como promessa que nos conduz ao infinito e nos garante que não morreremos jamais. O dom maior do ressuscitado é a paz: “A paz esteja com vocês”, disse Jesus aos seus apóstolos. Ele acompanha as nossas dores e tristezas consolando de modo permanente e misterioso. Ele está presente em nossos fracassos e impotência como força segura que nos defende. Ele está em nossos pecados como misericórdia que nos suporta com paciência infinita e nos compreende e acolhe até o fim. Ele está, inclusive, no momento de nossa morte como vida que triunfa quando tudo parece extinguir-se. A Páscoa é a festa da vida. A festa de todos que se reconhecem mortais, mas que descobriram no Cristo ressuscitado a esperança de uma vida eterna.Felizes aqueles que na manhã da Páscoa deixam entrar em seus corações as palavras de Cristo: “Tenham a minha paz. Neste mundo vocês terão aflições, mas tenham coragem; Eu venci o mundo” (Jo 16,33). Feliz e santa ressurreição a todos!
* O autor é bispo da Diocese de Toledo
revistacristorei@diocesetoledo.org

TOPO