Copagril
Silvana Nardello Nasihgil

Cuidado com o medo, ele adora roubar sonhos!

 

É tão triste quando entendemos que muito do que vivemos esteve e está pontuado por medos.

Deixamos portas abertas na nossa existência, a partir das quais, ao invés da coragem de buscar por aquilo que desejamos viver, permitimos que os medos ocupem esse espaço. Muitos dos nossos medos, quando pensados, são absurdos e servem somente para paralisar as nossas vidas.

Muitos dos nossos medos começam na nossa infância e sem nos darmos conta uma grande parte deles permanece em nós até o fim da vida. A quase totalidade dos medos se instalam em nós advindos de momentos infelizes, de sofrimentos emocionais e psíquicos e alguns casos vêm de situações criadas na mais tenra idade e até mesmo repassada pelos nossos pais.

No desconhecimento de que é possível desconstruí-los, vamos simplesmente deixando acontecer como se fosse uma verdade imutável. Então as nossas vidas vão se deformando e criamos áreas de desconforto e de sofrimentos totalmente desnecessários. A vida se torna pesada e inconsistente, perde o brilho e com isso se vão os projetos de dias felizes e de possibilidade positivas.

Ao longo da vida fazemos muitas coisas que não gostamos, e aceitamos, por exemplo, relações tóxicas, empregos que desumanizam, abusos emocionais e físicos, humilhações… não permitimos que nos amem, fugimos do amor, criamos barreiras, afastamos pessoas, nos bloqueamos para a vida, cremos não sermos merecedores da felicidade, evitamos sentimentos positivos por não desejarmos mais sentir aquilo que nos desconstruiu… e então nos colocamos como incapazes de mudar as nossas vidas, como incapazes de compreender que os medos não podem nos assombrar ao ponto de nos impedir viver, buscar por dias melhores e por momentos de felicidade.

Pessoas que colocam o medo no lugar da coragem terão uma dificuldade extra de dar conta da vida; passarão a viver como que em uma bolha, crendo que isso as livrará do sofrimento. Isso não é verdade! Poderão se livrar de alguns detalhes da vida, mas enquanto estiverem preocupadas com esses detalhes a vida continua desfilando linda e majestosa, com todas as possibilidades possíveis que o medo teima em afastar.

A coragem nos faz fortes, ela exige muito, não tem como duvidar, mas ela nos coloca diante de escolhas possíveis e não da negação do desconhecido. A coragem nos possibilita, nos habilita, nos permite e nos faz criar asas ao invés de amaras.

Precisamos deixar de lado o medo de ser feliz, de experimentar, de se arriscar. Não dá para passar a vida sem saber o que tem do lado de lá do muro por medo de escalar.

 

Silvana Nardello Nasihgil é psicóloga clínica (CRP – 07/21393)

silnn.adv@gmail.com

TOPO