Elio Migliorança

DAS TREVAS PARA A LUZ

A surpresa dos brasileiros com a prisão do senador Delcídio do Amaral logo se transformou em esperança e comemoração. Parece que estamos chegando ao tempo em que a lei vale para todos, pois era um senador e um banqueiro, o 13º homem mais rico do Brasil, que estavam indo para a cadeia. Quando as gravações foram divulgadas, lembrei das palavras de Jesus aos seus apóstolos, dizendo: “nada há encoberto que não venha a ser revelado, nem escondido que não venha a ser conhecido. Pois tudo o que dissestes no escuro será ouvido em plena luz, e o que falastes sussurrando em casa será proclamado nos telhados”. Se os brasileiros soubessem de todos os diálogos e tramoias costuradas na calada da noite, nas reuniões secretas e nas partilhas dos bilhões da corrupção é provável que precisássemos de um estádio de futebol para acomodar todos os presos. Mas é bom acreditar que assim como a conversa de Delcídio & Cia. foi trazida das trevas para a luz, há muitas coisas que os heróis da Operação Lava Jato já conhecem e no tempo oportuno será dada a conhecer e os envolvidos serão punidos.

Quando o senador Delcídio do Amaral citou ministros e outras autoridades, prestou um grande serviço ao país, afinal, obrigou-os a tomarem uma decisão rápida e com um tiro certeiro abateram temporariamente a liberdade dos autores do ousado plano de fuga em gestação. Os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) não tinham outra saída, era fazer isso para provar que não estavam envolvidos nos conchavos ou então seria a desmoralização total. E acredita-se que para o futuro haverá mais rigor e rapidez nas decisões do STF, é o que todos esperamos de uma Suprema Corte, que realmente defenda os interesses do país.

Com estas prisões e a delação premiada de Nestor Cerveró, especula-se sobre os rumos e qual será o alcance final da Operação Lava Jato. Os brasileiros esperam que todos os culpados sejam punidos. Que as investigações continuem até chegar ao topo da pirâmide, alcançado os chefões desta quadrilha organizada que tomou o Brasil de assalto, pois não há outra forma de classificar este esquema perverso instalado dentro das diversas esferas governamentais. É a grande oportunidade de passar o Brasil a limpo. Que se investiguem todas as estatais, os políticos e empresários em todos os níveis, inclusive nos Estados e municípios, e que os culpados sejam punidos.

Este é o Brasil que queremos, onde a lei seja para todos. Mas, quando a barba do vizinho pega fogo, os demais barbudos colocam a sua de molho, e o que se ouve aqui e ali são vozes defendendo que o Lula não pode ser preso porque ele é um patrimônio da nação. Se sua culpa for comprovada, deverá ser declarado patrimônio falido e deve ser preso, sim. Todos os culpados, não importa se políticos com cargo ou sem cargo, ricos ou pobres, independente do saldo bancário ter nove ou apenas um dígito, devem pagar pelo que fizeram. Esta história de achar que este ou aquele é patrimônio nacional é uma bagaça chamada culto à personalidade, advinda duma mentalidade stalinista tupiniquim retrógrada, típica de regimes totalitários que em muitas ocasiões foram apontadas como exemplos para nosso país. Tal mentalidade é a cara escarrada da democracia podre pregada por alguns que desejam se eternizar no poder.

 

* O autor é professor em Nova Santa Rosa

miglioranza@opcaonet.com.br

TOPO