Brincando na Praça 2019
Elio Migliorança

DESCONSTRUÇÃO

Há inúmeras situações de risco com as quais convivemos diariamente. Uma das piores talvez seja no trânsito, mas temos temporais, doenças misteriosas surgindo repentinamente, o estresse da correria diária, a sobrecarga de obrigações a pagar, e ainda precisamos agora nos preocupar com a sociedade que estamos construindo. O que semearmos no presente, colheremos no futuro. Recordo da experiência vivida no distante ano de 1984, tema já mencionado neste espaço, quando visitei a Hungria, país que vivia sob o severo regime do comunismo soviético. Muitas pessoas que visitamos no país, com lágrimas nos olhos, contavam da vida que levavam antes e depois da implantação do “paraíso comunista”. Não por acaso existia uma cortina de ferro, para evitar que as pessoas fugissem. Aí surgia a primeira contradição: do paraíso ninguém quer fugir. Toda esta reflexão me veio à mente por observar o que acontece na vizinha Venezuela e a influência que aquele aprendiz de ditador comunista está tendo no Brasil. Tudo está sendo “estatizado”. Os meios de comunicação foram “calados” à força, os meios de produção tomados de seus proprietários legítimos. E no Brasil os meios de comunicação estão divulgando as ideias e as sugestões daquele lunático, inclusive sua sugestão recente conclamando o povo brasileiro a votar numa certa candidata para presidente da República. Cada um que vote em quem quiser e de acordo com o que sua consciência aprovar.
O que me espanta são as recentes sugestões dadas por Hugo Chávez ao povo venezuelano. Banho limitado a três minutos. E para ir ao banheiro durante a noite, ao invés de ligar a luz, que usem uma lanterna. Parabéns Sr. Chávez. O Sr. está conseguindo destruir um país, sua economia e sua liberdade.
Nunca esqueço que numa das viagens a Brasília na década de 80, passando em frente a um supermercado, propriedade do governo, alguém me informou que aquele era o único supermercado do mundo que dava prejuízo. A Venezuela é o único país do mundo que está “nadando” em petróleo e o povo vive na miséria. Pois é, agora olho ao redor para o que acontece no Brasil. As despesas públicas são cada vez mais altas, a arrecadação não é suficiente para cobrir as despesas, então “como é do couro que sai a correia”, prepare-se que logo virão mais impostos aí. O governo já sinalizou com o atraso na restituição do Imposto de Renda, valor cobrado acima do que se devia e cujo governo agora torce o nariz para devolver. Está sendo votado no Congresso Nacional o maior e mais indecente calote de que se tem notícia, algo nunca feito antes na história desse país, que é a legalização para o não pagamento dos precatórios. Precatórios para quem não sabe são dívidas do Poder Público, municipal, estadual ou federal, já julgadas e com ordem de pagamento por parte da Justiça. Mas os governantes não pagam. Isso sem contar com a bandalheira promovida pelo MST e pelas ordens judiciais de reintegração de posse que não são cumpridas pelos governos estaduais e federais. Tudo isso faz nascer o temor da “Venezuelização” do Brasil.

TOPO