Copagril
Dom João Carlos Seneme

Deus se faz presente na terra através dos seguidores de Jesus

 

Depois do Domingo de Pentecostes, celebramos a Solenidade da Santíssima Trindade. Deve brotar de nossos corações um sentimento de gratidão pelo cumprimento da salvação, mistério realizado pelo Pai, através do Filho, no Espírito Santo.

Trindade e amor são um único mistério. Não podem existir separadamente: completam-se mutuamente. Como o amor, a Trindade é um mistério transcendente, mas próximo; escondido, mas revestido de luz brilhante. Um Deus inacessível e pessoal, que pode ser conhecido e amado como Pai, Filho e Espírito Santo. 

Casa do Eletricista folha LORENZETTI

Em toda celebração eucarística iniciamos a ação litúrgica em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo e ela será concluída com a bênção do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Tudo o que dissermos e fizermos, durante a Santa Missa, é um diálogo entre nós e o Pai, feito por meio de Jesus Cristo, à luz e com a força do Espírito Santo. Depois da homilia, somos convidados a proclamarmos a nossa fé no Deus uno e trino: “Creio em um só Deus, Pai todo-poderoso… e em um só Senhor, Jesus Cristo… e no Espírito Santo, Senhor que dá a vida e procede do Pai e do Filho”.

O modelo da verdadeira comunidade é a família de Deus: Pai, Filho e Espírito Santo. Um único Deus em três pessoas, mistério de amor e comunhão. Cada um vivendo a própria identidade e manifestando um amor que não é fechado em si mesmo, mas que transborda e atinge toda a humanidade. Por isso, a comunidade cristã deve se espelhar nesta relação de respeito e convivência, onde as diferenças se tornam riqueza. Não conseguimos entender este mistério, mas podemos contemplá-lo e nos alegrar porque Deus-Trindade se revelou a nós e nos salvou pela ação de Jesus Cristo. A fé é o caminho que nos proporciona este encontro, pela fé conhecemos Deus e entramos na sua intimidade. Cada vez que nos aproximamos de Deus, Ele nos revela o que temos de melhor e nos envia a encontrar nossos irmãos e irmãs.

O evangelho de hoje nos ajuda a acompanhar a última fase da história da salvação: o tempo da Igreja, nosso tempo, em que assumimos a missão de Jesus e seremos acompanhados pela presença do Espírito Santo. Ele virá sobre a Igreja, diz Jesus, e a levará ao conhecimento de toda a verdade, morará nela, para aperfeiçoar a obra do Filho e santificar todas as coisas. A Festa de Pentecostes nos fez reviver o amor de Deus derramado sobre nós: o Espírito nos acompanha em tudo, nos defende e nos faz recordar tudo o que Jesus ensinou. O Espírito Santo é o dom do Pai para seus filhos e filhas. “Creio no Espírito Santo, Senhor que dá a vida, e procede do Pai e do Filho; e com o Pai e o Filho é adorado e glorificado”.

Só conheceremos Deus, à medida que Ele se revela. O que sabemos e podemos experimentar é a proximidade de Deus que caminha conosco, orienta, ama, admoesta e se faz um de nós através de Jesus, o Filho amado, e que continua a agir no dinamismo do Espírito Santo.Nunca conseguiremos expressar em palavras o que acontece na experiência de encontro entre Deus Uno e Trino e o ser humano. Este é um mistério profundo de Fé, onde só entramos através da contemplação e adoração, sem nunca esgotá-lo. Como Moisés diante da sarça ardente: “Não te aproximes. Tira as sandálias dos pés, porque o lugar que pisas é terreno sagrado” (Ex 3,5).

 

O autor é bispo da Diocese de Toledo

revistacristorei@diocesetoledo.org

TOPO