Ford/Abradif/Rodovel Ranger
Dom João Carlos Seneme

E do céu veio uma voz: “Tu és o meu filho amado”

Com a solenidade do batismo do Senhor, chegamos ao fim do tempo litúrgico do Natal e iniciamos o tempo comum. O relato do batismo nos é apresentado através do Evangelho de Marcos, cuja finalidade é afirmar, desde o início, a identidade e a missão de Jesus. O batismo de João tinha valor superior aos diferentes ritos de limpeza e purificação que faziam os judeus, especialmente os rabinos, no Antigo Testamento. João pregava um batismo de conversão e purificação moral, que preparava o batizado para fazer parte de uma comunidade renovada que aguardava a chegada do Messias e o início de seu reinado.

O evangelista Marcos diz: “Toda a população da Judeia e de Jerusalém vinha até João para ser batizada por ele”, mas entre todos os que procuravam este batismo destaca-se a pessoa de Jesus: “Naquele tempo, Jesus veio de Nazaré para a Galileia, e foi batizado por João. Quando saiu da água, viu o céu aberto e o Espírito Santo descer sobre ele como uma pomba. “Tu és o meu Filho amado”.

Em seu relato evangélico, Marcos quer comunicar que Jesus é o Messias, o Filho de Deus. Ao apresentar Jesus buscando o batismo de João, junto de outros judeus, o evangelista quer nos ajudar a entender que Jesus é o Messias com a missão de nos redimir. O próprio João Batista afirma: “Depois de mim virá alguém mais forte do que eu. Eu não sou digno de me abaixar para desamarrar suas sandálias. Ele vos batizará com o Espírito Santo”.

Ao iniciar sua missão, Jesus quer ser batizado para revelar que o Filho de Deus tornar-se-á um de nós para salvar toda a humanidade. Jesus é batizado não para o perdão dos pecados, mas para confirmar a doação de sua vida para que os pecadores alcancem o perdão e a salvação. O céu se abre porque o pecado de Israel o havia fechado. A vinda do Espírito Santo confirma a reabertura da comunicação entre o céu e a terra, entre Deus e a humanidade. O próprio Deus pronuncia seu testemunho definitivo sobre Jesus: “Tu és o meu Filho amado, em ti ponho meu bem-querer”.

O batismo é um sinal de perdão e purificação que conduz ao arrependimento e perdão dos pecados. Através do batismo, estamos unidos a Cristo e nos tornamos novas criaturas. O batismo nos faz morrer para o pecado e renascer para uma vida nova em Cristo. Naquele momento nos tornamos membros de Cristo e da sua igreja; fomos batizados em nome da Santíssima Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo, seguindo o mandato de Jesus (Mt 28,16-20). Todos nós, no dia de nosso batismo, aceitamos a fé trinitária e prometemos aderir ao ensino e à comunhão dos apóstolos, resistir ao mal, proclamar com palavras e ações o evangelho de Deus, servir Cristo em todas as pessoas, lutar por justiça e paz entre todos os povos.

No batismo, Jesus tomou consciência da sua missão (essa missão que o Pai lhe confiou), recebeu o Espírito e partiu em viagem pelos caminhos poeirentos da Palestina, a testemunhar o projeto libertador do Pai. Eu, que no batismo aderi a Jesus e recebi o Espírito que me capacitou para a missão, tenho sido uma testemunha séria e comprometida desse programa em que Jesus se empenhou e pelo qual Ele deu a vida?

Ao celebrar o batismo de Jesus, é nos dada a oportunidade de renovar o nosso batismo. Todos fomos batizados para participar da vida de Cristo e experimentar na própria vida o grande amor que Deus tem por cada um de nós e juntos a comunidade dos filhos e filhas de Deus reunida ao redor de Jesus Cristo.

 

* O autor é bispo da Diocese de Toledo

revistacristorei@diocesetoledo.org

 

TOPO