Ford Ranger e Ecosport Set/2020
Copagril – Compras no Site
Editorial

… e pode ter Gre-Nal na final

Ah, o futebolzinho voltou. Para os fãs desse esporte fenômeno mundial, a falta dos jogos foi mais uma angustiante espera provocada pela pandemia da Covid-19. Aos poucos, a bola volta a rolar pelos campos do Brasil. Mesmo sem público, ver a bola rolar mais uma vez traz um pouco de esperança de que a sociedade vai voltar à normalidade, ou à nova normalidade.

A saudade era grande para os torcedores. Os cartoleiros já aquecem os dedinhos para escalar seus times pelo Brasileirão. Enquanto isso, estão sendo definidos os campeões estaduais.

Casa do Eletricista – GENCO

Em Marechal Cândido Rondon a torcida é massiva de Grêmio e Internacional. Os dois podem até disputar a final do segundo turno na semana que vem, caso vençam seus adversários neste fim de semana. Seria o segundo confronto entre os principais times do Rio Grande do Sul após a pandemia. Que beleza!

Há de se convir que a qualidade técnica dos times ainda está longe da ideal. Está tudo ainda meio bagunçado. Foram quatro meses sem jogos, com treinos meia-boca, o que naturalmente se traduz em jogos, por assim dizer, não tão atrativos. Mas do jeito que for, a bola rolando, para o torcedor, é coração batendo mais forte. É a corneta no rival, o meme após o jogo, o grito no sofá, de felicidade, indignação, tristeza, euforia. É a cervejinha com futebol, mesmo que longe dos parceiros e parceiras, é pai e filho com a camisa em frente às telas nos dias de jogos.

Aos poucos o brasileiro vai se acostumando à volta do esporte. A Fórmula 1 também dá o ar da graça nas telinhas. Para quem gosta, um prato cheio. Assim como a Stock Car, com provas transmitidas também pela TV. Os campeonatos amadores regionais, como acontece em Marechal Cândido Rondon e região, as partidas de futsal, também devem começar a despontar nas próximas semanas. Aos poucos, as pessoas começam a perceber que a vida tem que voltar ao normal, mesmo que cheia de novas maneiras.

É claro que a pandemia está longe de ter um fim. São cerca de 2,5 milhões de infectados e quase 90 mil pessoas mortas por conta desse vírus só no Brasil. Amigos, personalidades, desconhecidos que foram vítimas dessa terrível doença e deixam saudades eternas a quem ficou. Uma lástima.

Ainda, e por quanto tempo ninguém sabe, é preciso manter as “velhas” medidas de segurança, como evitar aglomerações, manter distanciamento de dois metros, ficar em casa quando possível, lavar bem e várias vezes ao dia as mãos, usar álcool gel, máscara, etc. O coronavírus não dá trégua.

Mas aos poucos as atividades estão voltando. Comércio, bares e restaurantes, viagens aéreas, essas coisas que até pouco tempo pareciam quase extintas voltam a tomar fôlego. Não poderia ser diferente no esporte. O que se espera é um retorno gradual às atividades esportivas. O Brasileirão começa em dez dias. Que a bola role com segurança e para felicidade geral dos torcedores… e pode ter Gre-Nal na final.

TOPO