Copagril – Sou agro com orgulho
Editorial

É preciso manter a esperança

A Covid-19 está dizimando milhares de famílias de brasileiros todos os dias. Nesta semana, em um único dia, 3.950 pessoas perderam a vida. É como dizimar uma pequena cidade brasileira por dia, como Quatro Pontes, que tem cerca de quatro mil habitantes, segundo o IBGE. Números que só pioram. Faltam leitos nos hospitais, faltam profissionais de saúde, faltam medicamentos e oxigênio, sobram irresponsabilidades, festas clandestinas e aglomerações que se refletem em recordes negativos sucessivos.

Na outra ponta, pessoas perdendo os empregos; famílias inteiras dependendo de doações para sobreviver, para comer; empresários se endividando, falindo, batalhando para poder trabalhar sem estrangular ainda mais a situação sanitária que o Brasil goza na atualidade.

Casa do Eletricista – BOBCAT

Apesar de toda essa situação calamitosa que hoje a sociedade brasileira vive, é preciso ter esperança. No meio de tantas notícias ruins, há notícias de superação, de recuperação, de vacinação. Há exemplos que motivam a alimentar e realimentar a esperança. Eles estão por aí, mas sempre à sombra das “notícias ruins”.

Uma rápida passada pelo “Ok Google” define esperança como “sentimento de quem vê como possível a realização daquilo que deseja; confiança em coisa boa; fé”.

Por citar a fé, os cristãos comemoram neste domingo (04) a Páscoa, que celebra a ressurreição de Jesus Cristo. É um momento de reflexão, que as pessoas podem usar para alimentar a sua esperança em dias melhores. Um momento para refletir sobre os valores mais importantes da vida e o que realmente vale na vida.

A sociedade precisa se manter firme e forte para, em primeiro lugar, administrar da melhor forma possível esse cenário de guerra que o coronavírus impôs, e, de alguma forma, tocar a vida em frente. Manter a esperança permite às pessoas sonhar em dias melhores, em que os antigos abraços possam voltar a fazer parte da rotina, dias em que a roda de chimarrão possa ser acolhedora, dias em que as escolas, as indústrias, as festas, tudo que se tinha antes possa voltar a sua normalidade.

Há inúmeros motivos para chorar, há incontáveis tristezas para ver e ouvir, o luto está entre todos, assim como a dor das perdas. Apesar de uma leve engrenada nos últimos dias, o ritmo da vacinação ainda é muito lento no Brasil. Serão meses e mais meses de muita angústia. Serão tempos de comércios parcialmente abertos, serão tempos de mortes, serão tempos de tristeza e dor.

Mas o outro lado mostra que algumas pessoas já receberam as primeiras doses de esperança. Quem tem pais mais velhos ou avós já teve o prazer de comemorar a dose da vacina aplicada. Daqui há pouco, essas pessoas a quem muita gente mais ama na vida, vão estar imunizadas contra essa doença terrível e traiçoeira.

A pandemia de Covid-19 mudou a vida ao redor do planeta. Os hábitos mudaram, o jeito de encarar a vida mudou para muita gente. Mas a cada dia que passa os avanços permitem que as pessoas tenham esperança. Um sentimento simples, puro e essencial para enfrentar dias difíceis.

Feliz Páscoa a todos. Mantenham a saúde… e a esperança.

TOPO