Dom João Carlos Seneme

Eis o meu filho amado, Nele está todo o meu amor

Neste domingo (12) celebramos o batismo de Jesus nas margens do rio Jordão segundo o evangelho de Mateus. É uma ocasião privilegiada para refletir sobre nossa identidade cristã e missão a que somos enviados. O cenário de fundo é o projeto salvador de Deus que, no Natal, cumprindo o projeto do Pai, ele se encarna, faz-se um de nós, partilha a nossa fragilidade e humanidade para nos salvar. Tudo isso propondo-nos um caminho novo, libertando-nos do egoísmo e do pecado e empenhando-se pessoalmente na promoção da humanidade e nos abrindo o caminho da vida eterna. No batismo, Jesus revela que é o Filho amado de Deus, que veio ao mundo enviado pelo Pai, com a missão de salvar e redimir a humanidade.

Jesus vai ao encontro de João para ser batizado e cumprir a vontade de Deus. Ele não precisa do batismo de penitência e perdão dos pecados oferecido por João Batista, porque não tem pecado, mas afirma que precisa passar pelo batismo para que se cumpra o plano salvador de Deus. É uma forma de Jesus revelar a sua humanidade e solidarizar-se com a humanidade fragilizada e pecadora, colocando-se do nosso lado para nos ajudar a sair da situação de pecado e percorrer com ele o caminho que conduz à vida plena. Este é o projeto do Pai, que Jesus cumpriu integralmente.

Casa do Eletricista – RETOMA

Para revelar a identidade e missão de Jesus, Mateus recorre a sinais simbólicos: céus abertos, o Espírito Santo que desce em forma de pomba e a voz do céu. Sinais que revelam que a atividade de Jesus vai reconciliar o céu e a terra, vai refazer a comunhão entre Deus e a humanidade. Não está sozinho porque o Espírito estará com ele. O próprio Deus atesta que ele é o Filho amado, portanto ele é Deus. Sua missão será marcada por dificuldades, rejeição e sofrimento e será desenvolvida na obediência total ao Pai, sem triunfalismos, poder e prepotência, mas na simplicidade e nos respeito por todos. Da atividade de Jesus, o Filho de Deus que cumpre a vontade do Pai, resultará uma nova criação, uma nova humanidade. Como Moisés que conduz o povo de Israel da escravidão do Egito à terra prometida, no evangelho de Mateus Jesus é o novo Moisés, revestido do Espírito de Deus, para conduzir o seu Povo da terra da escravidão para a terra da liberdade, que se realizará plenamente na sua morte e ressurreição.

O batismo de Jesus nos leva a refletir sobre o nosso batismo. No momento em que nos tornamos filhos e filhas de Deus, membros da Igreja, começa o itinerário para a vida plena. O que nos é pedido é que correspondamos ao amor do Pai, acolhendo a sua oferta de salvação e seguindo Jesus no amor, na entrega, no dom da vida, pois, no dia do nosso batismo, comprometemo-nos com esse projeto.

Para nós hoje é uma boa ocasião para recordar e atualizar nossa pertença à comunidade dos que creem e foram batizados em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Tomar consciência de que nossa condição de batizados nos leva a viver sempre dando graças a Deus e buscar caminhos coerentes em conformidade com nossa condição de discípulos missionários de Jesus Cristo. A missão continua em cada um de nós, graças a este mistério de comunhão com Jesus Cristo que nos coloca no mesmo destino de vida entregue para que todos tivessem vida em abundância.

 

O autor é bispo da Diocese de Toledo

revistacristorei@diocesetoledo.org

 

 

TOPO