Paraná Produtivo - ADI-PR

Em AGO digital, Primato Cooperativa Agroindustrial apresenta melhor resultado da história

Melhor resultado da história

A Primato Cooperativa Agroindustrial realizou a transmissão da assembleia geral ordinária digital do exercício 2019. Com a participação de 170 cooperados de forma on-line aptos a votar e destinar as sobras, a cooperativa apresentou o melhor resultado de toda a sua história. O faturamento do exercício 2019 foi de mais de R$ 700 milhões, com crescimento de 16,20% comparado a 2018, obtendo um resultado líquido que ultrapassou R$ 15 milhões, com crescimento de 50,09% comparado a 2018. “Este foi um ano desafiador para a Primato devido às incertezas do cenário econômico mundial e nacional, porém, no decorrer de 2019 fomos conseguindo alcançar nossos objetivos, assim como obtivemos grande reconhecimento por nossas ações”, destacou o presidente da cooperativa, Ilmo Werle Welter.

Casa do Eletricista – TORNEIRAS ELÉTRICAS

 

Dinheiro para agricultura familiar

O governo federal liberou R$ 500 milhões que serão destinados para compras de alimentos da agricultura familiar. O objetivo é garantir uma fonte de renda para os produtores durante a pandemia de Covid-19. De acordo com o governo, 85 mil famílias de agricultores familiares deverão ser beneficiadas, além de 12,5 mil entidades e 11 mil famílias em vulnerabilidade social, que receberão os alimentos. Do total de recursos, R$ 370 milhões serão destinados para a compra de alimentos das cooperativas de agricultores familiares, por meio da modalidade de doação simultânea, sendo R$ 220 milhões para a Companhia Nacional de Abastecimento e R$ 150 milhões para governos estaduais e prefeituras.

 

Mercado financeiro

A previsão de queda da economia este ano está cada vez maior devido aos efeitos de medidas de isolamento social necessárias para o enfrentamento da pandemia de Covid-19. Pela 11ª semana seguida, as instituições financeiras revisaram a projeção de queda do Produto Interno Bruto (PIB), soma dos bens e serviços produzidos no país. Desta vez, a estimativa de queda passou de 2,96% para 3,34%. A informação consta do boletim Focus, com projeções de instituições financeiras para os principais indicadores econômicos, divulgado às segundas-feiras pelo Banco Central. A previsão do mercado financeiro para o PIB de 2021 é de crescimento de 3%. A previsão anterior era 3,10%. Para 2022 e 2023, a previsão de crescimento continua em 2,50%.

 

Confiança do consumidor

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC), medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), recuou 22 pontos em abril, na comparação com março deste ano. Com isso, o indicador chegou a 58,2 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos, o menor nível da série histórica iniciada em setembro de 2005. O mínimo histórico anterior era o de dezembro de 2015 (64,9 pontos). Tanto as avaliações sobre o presente quanto as expectativas em relação ao futuro recuaram. O Índice de Situação Atual, que mede a confiança no presente, caiu 10,5 pontos, para 65,6 pontos, o menor nível desde dezembro de 2016 (64,8 pontos). Já o Índice de Expectativas, que mede a confiança no futuro, recuou 28,9 pontos para 55 pontos, o menor valor da série histórica.

 

Bancos emprestam

Durante a pandemia de Covid-19, os cinco maiores bancos do país liberaram R$ 266 bilhões em novos empréstimos, entre contratações, renovações e parcelas suspensas, de acordo com dados divulgados pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban) ontem (27). Os dados analisados se referem ao Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, Itaú e Santander. Não há dados anteriores para comparação, mas, de acordo com estimativa da Febraban, representa aumento de 22,2% em relação a março do ano passado, quando foram cerca de R$ 218 bilhões. Os números são de 16 de março a 17 de abril, período de intensificação do isolamento social e de medidas econômicas para tentar conter os efeitos na economia. No intervalo, os bancos prorrogaram 3,8 milhões de contratos de crédito por 60 a 180 dias. As parcelas já suspensas somam R$ 22,2 bilhões.

 

Pequenos negócios

A Fomento Paraná contabiliza pouco mais de dois mil contratos emitidos com micro e pequenas empresas para concessão de crédito pelo programa Paraná Recupera, lançado no final de março para preservar salários e empregos nas micro e pequenas empresas paranaenses. A maior parte dos pedidos atendidos é da nova linha de até R$ 6 mil, para empreendedores informais, microempreendedores individuais e microempresas. Os recursos são liberados em três parcelas e têm como objetivo proporcionar renda e pagamento de salários durante três meses. O período foi inicialmente projetado para atender ao distanciamento social, com fechamento temporário de empreendimentos e prestação de serviços não essenciais, para prevenção contra o avanço da Covid-19 no Paraná.

 

Exportações de soja

As importações de soja do Brasil feitas pela China em março caíram 24,8% em relação ao mesmo mês do ano passado, mostraram dados alfandegários publicados no último domingo (26), depois que as chuvas atrasaram os embarques. A China, maior comprador de soja do mundo, importou 2,1 milhões de toneladas de soja do Brasil em março, ante 2,79 milhões de toneladas no mesmo período de 2019, mostraram dados da Administração Geral de Alfândegas. As chuvas no Brasil no final de fevereiro atrasaram a colheita e a exportação da commodity, levando a baixos estoques recordes de soja e farelo de soja na China. Algumas trituradoras de soja foram forçadas a restringir as operações devido à escassez de oferta.

(Foto: Divulgação)

 

Via Varejo vai às compras

A Via Varejo anunciou a compra da startup curitibana ASAPlog, especializada em soluções de logística urbana e conexão de transportadoras em etapas de longas distâncias. A companhia não revelou o valor do negócio, embora tenha informado que ele é “um passo importante na transformação digital” da Via Varejo e que atua em escala nacional. “Nos últimos anos, a ASAPLog vem transformando o cenário de entregas de pequenos varejistas de ecommerce, com uma plataforma de fácil usabilidade, privilegiando o ‘crowdshipping’ como solução para a entrega última milha, contando com uma ampla rede de entregadores autônomos”, afirmou a Via Varejo sobre a empresa paranaense criada há cinco anos. Segundo a empresa, a compra da ASAPLog vai apoiar a estratégia de “minihubs” da Via Varejo, onde mercadorias são despachadas das próprias lojas físicas da empresa aos clientes de comércio eletrônico, em vez de grandes centros de distribuição.

 

Retomada da produção

A CNH Industrial informou que as fábricas na América do Sul, localizadas em Curitiba, Contagem (MG), Piracicaba (SP), Sete Lagoas (MG) e Sorocaba (SP), no Brasil, e em Córdoba, na Argentina, começam a voltar, gradualmente, ao funcionamento. As atividades estavam paradas há algumas semanas por conta da quarentena do coronavírus. “Todas as plantas retomam as atividades seguindo rigorosos padrões de higiene e uma série de cuidados para proteger a saúde dos colaboradores”, disse a empresa. As unidades produzem máquinas agrícolas da Case IH e da New Holland Agriculture, equipamentos de construção da Case e da New Holland Construction, veículos comerciais da Iveco e motores da FPT Industrial.

 

Café despenca

O mercado internacional de café teve uma semana de forte queda nas cotações, com base na Bolsa de Nova Iorque para o arábica (ICE Futures US). O mercado recuou diante de fatores técnicos e da alta do dólar contra o real e outras moedas, em meio à pandemia de Covid-19, mas especialmente com o começo da colheita da safra nova brasileira, que tende a ser recorde. No balanço da semana, o café em Nova Iorque no contrato julho caiu de 119,70 centavos de dólar por libra-peso no fechamento do dia 16 para 112,40 centavos no fechamento na última quinta-feira (23), acumulando perda de 6,1%. E veio caindo mais 5% até o fechamento da edição desta coluna. Em Londres, o café robusta para julho caiu no mesmo período comparativo 4,6%.

 

França no desemprego

O número de desempregados (categoria A) na França registrou um aumento histórico durante um mês, em março (246.100, ou seja, +7,1%), alcançando 3.732.000 pessoas, anunciou a Pôle Emploi, agência pública de emprego. Durante o primeiro trimestre do ano, no entanto, o aumento foi leve (+0,7%, 3.576.000 pessoas). Em consequência da redução considerável no número de solicitantes de empregos com atividade reduzida (categorias B e C), os efetivos A, B e C aumentaram de maneira menos brusca em março (177.500, ou seja, +3,1%), permanecendo estável em 5.744.000.

 

Redação ADI-PR Curitiba 

Coluna publicada simultaneamente em 20 jornais e portais associados. Saiba mais em www.adipr.com.br.

TOPO