Copagril
Editorial

Estrabismo na política

 

A idolatria é um grande problema. Discussões rasas, também. Enquanto direitistas e esquerdistas se digladiam nas redes sociais, a Câmara dos Deputados passa uma rasteira no povo brasileiro. As superficiais discussões basicamente são a favor e contra o presidente Bolsonaro e suas medidas. Para uns, é o céu. Para outros, o inferno. Longe dessas trocas de insultos que nada auxiliam o Brasil a sair da pior crise da história dos últimos 100 anos e só inflamam uns contra os outros, deputados federais tiraram do Ministério da Justiça e passaram para o Ministério da Economia a gestão do Coaf, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras, responsável por identificar e combater crimes financeiros e lavagem de dinheiro.

Administrativamente falando, não há sentido algum em retirar um órgão de fiscalização do Ministério da Justiça. É como colocar a Secretaria da Pesca na pasta da Educação, ou a Embrapa no Ministério da Defesa. Isso sem contar que o ministro Paulo Guedes, que para muitos é um guru da economia, definitivamente não tem competência técnica para conduzir os trabalhos de tão importante órgão público no Brasil. Economista tem que cuidar da economia, não da criminalidade.

Casa do Eletricista PISCINAS

Certamente o Coaf vai perder força, eficiência e efetividade. É exatamente isso que querem os 228 deputados que votaram para transferir a entidade para o Ministério da Economia. São muitos os que desejam que o órgão perca força para que, eventualmente, seus crimes não sejam investigados, descortinados e perdurem em validade indeterminada. Querem continuar a praticar seus delitos contra a nação, agora mais longe das garras da Justiça. Querem proteger seus crimes. Estão promovendo um desmonte contra a corrupção brasileira.

Enquanto isso, na sala da injustiça, uma enxurrada de postagens e mais postagens, falsas e verdadeiras, promovem um verdadeiro pandemônio entre os lados A e B. Um posta, outro bate palminhas, outro ataca, mais um critica e compartilha, os palavrões começam, a gentileza e a educação desaparecem, o bom senso também, e no final das contas o que parecia política nada mais é do que um jogo bobo de ataque e defesa, mas sem gols. Um 0 a 0 daqueles bem feios de ver.

O amadurecimento político ainda é recente e engatinha no Brasil. Fala-se muito defendendo cores, mas os políticos continuam colocando a população no bolso, votando pelas suas próprias convicções e interesses. Enquanto as brigas não se aprofundarem, eles vão continuar a lesar o Brasil para suprir suas demandas pessoais. Cedo ou tarde, a conta vai vir.

As pessoas precisam parar de prestar atenção em Lula ou em Bolsonaro e começar a participar efetivamente da política, buscando informações claras sobre o que acontece em Brasília, seja no Executivo, no Legislativo ou no Judiciário. Discussões rasas não levam a nada. Idolatrias também não. É melhor o povo começar a abrir os olhos para o que realmente importa na política brasileira. Ideologias e ódio não ganham jogo. Estrabismo também não.

TOPO