Editorial

Fatos contra o coronavírus

A sociedade mundial está vivendo o que talvez seja o maior desafio enfrentado em décadas. A crise na saúde pública mundial por conta da pandemia de coronavírus tem criado notícias terríveis, e alguns pontos são fundamentais para que isso não se propague com agressividade em Marechal Cândido Rondon e região, no Paraná e no Brasil.

O primeiro deles é a orientação para ficar em casa. Se as autoridades sanitárias dizem, mesmo com todos os efeitos adversos que isso pode gerar na economia e na sociedade, é porque eles têm embasamento teórico e científico para essa indicação. Se não há pessoas circulando, não há vírus circulando. Em casos de necessidade urgente, faça isso o mais brevemente, observando a distância entre as pessoas e as etiquetas de higiene que todos já devem conhecer. Vale lembrar que ficando em casa as pessoas vão proteger quem não pode ficar em quarentena, como policiais, profissionais da saúde, trabalhadores das indústrias de alimentos e até nós, da imprensa.

Casa do Eletricista – TORNEIRAS ELÉTRICAS

O segundo passo importante é manter a higiene pessoal e da casa em dia. Lavar as mãos várias vezes ao dia, com paciência e respeitando os protocolos para de fato ter uma mão bem higienizada, é a maneira mais barata e eficiente de se proteger da doença. Usar álcool gel também ajuda.

Outra questão que as pessoas devem se atentar é em relação às fake news. Em tempos de redes sociais, muita baboseira circula na palma da mão, além do vírus. Evitar repassar notícias falsas é também uma boa estratégia de combate à Covid-19. Vale aqui destacar que depois de publicações sem nenhum caráter científico, houve uma corrida desenfreada por determinados remédios, causando dois problemas: a falta de remédio para quem realmente precisa, para tratar outras doenças, e a intoxicação que essas pessoas podem ter com a ingestão desses remédios sem orientação médica, lotando hospitais e trazendo sérios riscos à própria saúde, pois todo medicamento produz efeitos colaterais.

Na região Oeste, cada vez mais medidas restritivas estão sendo adotadas para achatar a curva de infectados e não sobrecarregar em demasia o já sobrecarregado SUS. Toque de recolher e fechamento de estradas já são realidade. Os casos confirmados em Guaíra (um), Cascavel (um) e Foz do Iguaçu (quatro) aceleram as restrições impostas pelas autoridades.

Também, e não menos importante, é hora de proteger a saúde mental. As pessoas precisam criar rotinas em casa para os intermináveis dias de confinamento. Ler bons livros, escutar boas músicas, cuidar do jardim (importante em tempos de dengue), evitar problematizações e polêmicas nas redes sociais, entre outras ações que ajudam a manter a cabeça em dia. Para o corpo, atividade física, preferencialmente em casa. Em algumas cidades brasileiras, corridas em parques já estão proibidas.

Um cenário sem precedentes está desafiando a humanidade. É hora de agir com racionalidade, manter o distanciamento social, lavar bem as mãos e seguir todas as orientações das autoridades. E lembre-se sempre: se puder, fique em casa.

TOPO