Copagril
Dom João Carlos Seneme

Felizes os servos que o Senhor encontrar acordados quando chegar

O Evangelho deste domingo (11) apresenta o tema da vigilância: o verdadeiro discípulo não fica de braços cruzados, acomodado e resignado, mas está sempre atento e disponível para acolher o Senhor e se empenhar na construção do Reino.

O texto inicia ressaltando que o verdadeiro tesouro não se encontra nos bens deste mundo. Portanto, é bem-vindo todo o esforço necessário para descobrir onde ele se encontra: “Onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração”. A resposta se encontra em três parábolas que acentuam a vigilância e a prontidão. Jesus se dirige a todas as pessoas de boa vontade que o seguem e assumem a responsabilidade de se colocar a serviço dos irmãos; atitude que exige vigilância e prontidão. Aquele que for negligente, se cuidar de sua missão e usar as funções que lhe foram confiadas em benefício próprio, colocará em risco a realização do Reino.

Casa do Eletricista folha LORENZETTI

O Reino é dom de Deus entregue à comunidade dos que seguem Jesus; ele conhece nossa fragilidade, mas confia em nossa capacidade e fidelidade. Não importa o tamanho de nossa responsabilidade e função, todos estão convocados a participar. O Reino começa a ser implantado onde os bens são partilhados com os necessitados; tal atitude revela que sabemos onde se encontra o verdadeiro tesouro e que não estamos apegados aos bens materiais. Sabemos que eles devem ser usados para construir fraternidade e diminuir a distância entre ricos e pobres. A comunhão e a partilha fortalecem nossos laços comunitários principalmente nos momentos de crise e dificuldade. A verdadeira felicidade do discípulo de Jesus não está nas riquezas, mas na realização do Reino: vida abundante para todos! À medida que as pessoas aprenderem a se doar nas pequenas coisas, poderemos compreender que é possível um mundo melhor para todos, mais fraterno e solidário. Desta maneira, já estamos experimentando o Reino de Deus acontecendo aqui e agora.

Jesus exorta seus discípulos a “manter os rins cingidos e a lâmpada acesa”. Estas imagens indicam a atitude de quem espera com lucidez e responsabilidade, sem cair na passividade e letargia. Há momentos em que vivemos em uma longa noite escura. Não é hora de dormir e apagar a luzes. É preciso reagir, despertar a fé e continuar caminhando com esperança porque o Senhor está conosco.

Neste segundo domingo de agosto celebramos o Dia dos Pais, com eles confirmamos a vocação da família como manifestação de Deus. A valorização da família é essencial para a sociedade e para a Igreja. A família é chamada por Deus a ser testemunha do amor e da fraternidade, colaborada da obra da Criação.

Senhor Deus, que nos ama com amor de pai, abençoa os pais de nossas comunidades. Dá-lhes força e coragem para conduzir seus filhos nos caminhos de Cristo. Amém.

 

O autor é bispo da Diocese de Toledo

revistacristorei@diocesetoledo.org

TOPO