Copagril – Sou agro com orgulho
Ford KA Fev 2021
Editorial

Hora de agir

Nos últimos dias não foi difícil encontrar alguém indignado com as notícias das novas praças de pedágio no Paraná e com os valores que estão sendo ventilados. Não por menos. O Estado, que fez o pior contrato de concessão em todo o Brasil, está calejado. Desde o final dos anos 1990, quem passa pelas principais rodovias do Paraná é “assaltado” a cada bocado de quilômetros.

Agora, ainda mais estradas serão concedidas para a iniciativa privada, como a BR-163. Entre Guaíra e Cascavel, por exemplo, na proposta inicial há duas praças.

Casa do Eletricista – 99% dos problemas

O governo federal tem gastado dezenas de milhões de reais para duplicar o trecho entre Marechal Cândido Rondon e Toledo nos últimos anos. Agora, quando boa parte do projeto está pronto, quer entregar a rodovia para a iniciativa privada, que não terá muito trabalho e os investimentos serão de manutenção. É quase inacreditável. Por isso mesmo os preços deveriam ser pagos com algumas moedas.

Obviamente, um movimento da sociedade civil organizada foi constituído para defender a redução do preço do pedágio que está sendo inicialmente proposto.

Na segunda-feira (25), a Associação Comercial e Empresarial de Marechal Rondon (Acimacar) manifestou apoio à petição pública pela redução do valor do pedágio no Paraná, lançada na última sexta-feira (22) pelo Programa Oeste em Desenvolvimento (POD). As lideranças defendem uma redução de pelo menos 50% do valor da tarifa no Estado.

A petição pública é a ferramenta utilizada para que a população e o setor produtivo possam ser ouvidos e que o menor preço prevaleça, além de assegurar outras garantias para que a região Oeste siga em desenvolvimento e tenha competitividade.

Todos os setores produtivos serão penalizados se novas praças e valores abusivos forem praticados, especialmente as grandes agroindústrias do Oeste do Paraná e as transportadoras. E a bola de neve só cresce. Se o transporte está mais caro, as mercadorias estão mais caras. Ou seja: será cobrado do consumidor final, seja um veículo zero quilômetro ou uma lata de ervilha. Quem paga a conta é quem sempre está na ponta.

Negócios mal feitos, embrulhados em corrupção e conluio de políticos e empresários, fizeram do Paraná um exemplo a não ser seguido. Já são quase 25 anos de cobranças de tarifas altíssimas. Se a sociedade não pressionar, caminho semelhante está sendo trilhado. A sociedade não pode admitir que algo parecido volte a acontecer.

As lideranças públicas devem, mais do que nunca, estar ao lado da população. São essas lideranças que precisam conduzir esse processo de concessão da maneira mais ética e transparente possível. Foram eleitos para representar o interesse das pessoas, da população paranaense. Especialmente agora, precisam dar voz à sociedade.

A indignação não pode ficar apenas nas redes sociais. É preciso coragem para cobrar uma postura firme. Depois que tudo já estiver amarrado em contratos, não adianta espernear. A hora de agir é agora, porque as pessoas sabem que aquela historinha para boi dormir de “baixa ou acaba” não funciona.

 

TOPO