Brincando na Praça 2019
Silvana Nardello Nasihgil

Já olhou para dentro de você?

Fins de semana deveriam ser dias de paz, dias de recarregar as energias, de descansar fisicamente e mentalmente, dias de embalar a vida e buscar a paz, agradecer a Deus pelas vitórias e pelos desafios vencidos. Deveriam ser dias de estarmos com a família, amigos, dias de deixarmos um pouco o celular de lado e conversarmos mais, abraçarmos, de ouvir, falar e permitir ao coração se encher de amor.

Muita gente não compreende isso e por dificuldades de processar a realidade da vida se coloca num automático, permitindo-se usar somente os instintos. Então… fins de semana são os dias que muita gente esquece do amor próprio, outros usam o tempo livre para sofrer, alguns debitam na solidão desculpas para se atirar em qualquer abraço, baladas “bombando” de gente sem noção, bebedeiras, brigas familiares, discussões sem nexo, confusões de toda natureza. Há alguns que por carência e falta de amor próprio fazem besteiras que precisarão de meses para se recompor.

Casa do Eletricista SORTEIO DE VERÃO

E o navio cada vez se distancia mais da costa, sem um comandante, navega sem rumo e em pouco tempo se perceberá à deriva… e vai afundando… sem que se dê conta. São aceitos como algo fora do controle todo tipo de lixo que sem qualquer critério entram e vão carregando, pesando, até que fatalmente transbordará e afundará.

Na falta de cuidado com os sentimentos e emoções, deixa-se de processar as realidades da vida, dando espaços para que sentimentos desnecessários e destruidores, aqueles que possuem todo o poder de desviar o rumo do equilíbro, tornem o viver disfuncional, se instalando como habitantes legítimos de uma vida que começará a ruir.

Para piorar, muitas vezes alimenta-se de atitudes e comportamentos que possuem um poder escravizante, servindo nada mais do que alimento para o vitimismo, tornando o indivíduo prisioneiro da infelicidade, fazendo-o assim esquecer das possibilidades de ter uma vida plena e mais feliz.

Precisamos olhar para dentro de nós e prestar atenção naquilo que estamos permitindo que faça parte dos nossos dias, daquilo que carregamos que pode nos edificar ou nos destruir.

Só temos uma vida para viver e ela precisa ter o que existe de melhor, porque a gente merece e a gente pode escolher.

 

Silvana Nardello Nasihgil é psicóloga clínica (CRP – 08/21393)

silnn.adv@gmail.com

TOPO