Copagril
Dom João Carlos Seneme

Jesus é a porta da salvação

Na leitura do Evangelho deste domingo (25), São Lucas apresenta uma questão amplamente abordada no Novo Testamento: por que somente algumas pessoas aceitam a mensagem de Jesus, enquanto outras a tratam com indiferença ou hostilidade? As narrativas do evangelho, como a parábola do semeador, abordam essa questão, assim como várias cartas de São Paulo. São Lucas responde à pergunta com a parábola de Jesus sobre a porta estreita: é uma luta seguir Jesus e relativamente poucos desenvolverão a fé e a força interior para fazê-lo.

Enquanto São Mateus Jesus apresenta este ensinamento no início do ministério de Jesus, São Lucas o coloca perto do fim, no caminho para Jerusalém. Para Jesus e seus discípulos, esta é uma jornada de crescente fé nas promessas do Pai e obediência à vontade divina, mesmo diante da hostilidade e rejeição. Para os discípulos, cada passo da jornada exigia um esforço cada vez mais consciente para seguir Jesus até o desconhecido.

Casa do Eletricista folha LORENZETTI

Esta é a porta estreita. Até aqui foi fácil seguir Jesus quando todos o admiravam pelo seu jeito de pregar e curar pelas estradas da Galileia. Provavelmente, fazia sentido seguir seu exemplo e ensinamento quando as pessoas acolhiam sua palavra. Porém, quando Jesus começou a despertar hostilidade, seus seguidores perceberam que o seguimento exigiria muito empenho. Não bastava estar com Jesus como mero espectador para comer e beber em sua companhia e ouvir seu ensinamento. O verdadeiro discipulado consistia em seguir o exemplo de Jesus. Quando Jesus iniciou a viagem para o destino final em Jerusalém, segui-lo indicava compartilhar sua fé obediente, mesmo quando tudo começou a parecer estranho e absurdo.

Como em todos os tempos, também hoje há falsos cristianismos que confundem os discípulos de Cristo. Alguns servem mais a sua igreja do que a Deus. Outros tentam cooptar Cristo para objetivos políticos ou sociais que têm pouco a ver com o Evangelho. Outros ainda o seguem porque está na moda, mas se afastam quando a religião sai da moda.

“Esforçai-vos para entrar pela porta estreita”. O discipulado requer esforço constante e consciente. Não é suficiente prestar atenção quando Jesus passa; é preciso estar disposto a sacrificar tudo para segui-lo, ir aonde o mestre conduz. A porta estreita é o evangelho com seu chamado à fé, à generosidade, ao perdão e à justiça, principalmente aos mais pobres.

O discípulo que se esforça para viver segundo este modelo poderá participar da festa Deus e se tornará mensageiro que convidará muitos outros a participar da mesma alegria.

A conclusão do evangelho apresenta a imagem consoladora de uma porta que se abre aos “últimos”, que “virão do Oriente e do Ocidente, do Norte e do Sul e tomarão lugar à mesa do Reino de Deus”. A história da salvação continua aberta a todos, de modo especial para aqueles que renovam todos os dias o compromisso de fidelidade ao Senhor.

Hoje celebramos o Dia do Catequista. Deus os abençoe pela partilha da fé, pela generosidade em mostrar o amor de Deus a tantas crianças, jovens e adultos. “Os bispos do Brasil vão orar por seus catequistas. Talvez aconteça que não consigam ser suficientemente gratos aos catequistas de suas dioceses. Mas Deus nunca se deixa vencer em generosidade. Um dia Ele mesmo vai abraçá-los por terem oferecido do seu tempo para a catequese. Que a grande catequista, aquela de Nazaré, caminhe ao seu lado nesta missão tão sublime” (Dom José Antônio Peruzzo).

 

O autor é bispo da Diocese de Toledo

revistacristorei@diocesetoledo.org

 

TOPO