Copagril
Elio Migliorança

LEITURA DOS SINAIS

A leitura correta dos sinais pode ser decisiva para diagnosticar um problema ou prever uma situação futura. Quando se vai ao médico, é natural que ele solicite uma série de exames que vão mostrar os sinais, através dos quais o médico fará o diagnóstico do paciente. E os exames hoje são tão avançados que permitem descobrir e prevenir futuras doenças com muita antecedência. Os sinais de alerta sobre vários problemas atuais já apareceram no passado, mas naquele momento quem devia ter feito algo não o fez e agora “outros brasileiros” estão pagando alto preço por isso. Em 2006 o governo boliviano invadiu e se apropriou das instalações da Petrobras, e o governo brasileiro foi tão condescendente com a agressão ao nosso patrimônio que até considerou justo o que haviam feito. Vendo que o governo brasileiro era frouxo, eu até diria irresponsável, os bolivianos começaram a engrossar o tom de voz e nós conhecemos o restante da história. Agora 12 cidadãos brasileiros, que foram torcer pelo seu time, o Corinthians, estão presos. O autor do disparo do sinalizador já foi identificado, portanto os prisioneiros são inocentes, mas depois de 38 dias ainda estão presos e sem perspectiva de liberdade. Governo que não impõe respeito, o resultado é isso aí.
Outro sinal é a denúncia, já feita há muito tempo, da precariedade das estradas que prejudicam o transporte da produção, e da necessidade urgente de modernização dos portos. Pois é, empresas chinesas cancelaram em março a compra de dois milhões de toneladas de soja brasileira. Perde o Brasil e perdem os agricultores, pois graças a esse “apagão logístico”, já denunciado lá atrás, pode haver queda nas exportações e também nos preços agrícolas. Os governantes não fizeram o dever de casa e nós arcamos com o prejuízo.
Nossa região enfrenta outra ameaça de guerra. A demarcação de uma reserva indígena que ameaça milhares de propriedades rurais. Diante da falta de ação dos governantes, é necessário que as entidades organizadas, associações, sindicatos, federações, prefeitos e vereadores organizem um movimento nacional em defesa do direito à propriedade. Não é admissível que depois de tanto suor derramado sobre estas terras, tornando-as as mais produtivas do mundo, tenhamos que passar por isso, por conta de uma entidade que se arroga o direito de decidir a sorte de milhares de famílias. Que os nossos representantes levantem sua voz em defesa da população, mostrando que mereceram o voto recebido nas eleições. Corre solta a frase: ou o Brasil acaba com a Funai ou a Funai acaba com os brasileiros.
E o sinal para prevenir outro mal maior será a mobilização da sociedade contra a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional nº 37, também conhecida como “PEC da Impunidade”, pois pretende retirar do Ministério Público o poder de investigar crimes. Na prática, se aprovada, a emenda inviabilizará investigações contra o crime organizado, desvio de verbas, corrupção, abusos cometidos por agentes do Estado e violações de direitos humanos. Um verdadeiro atentado ao bom-senso, contra o qual devemos nos levantar.

TOPO