Ecoville – Maior rede de limpeza
Silvana Nardello Nasihgil

Mensagens denunciam sentimentos

Não precisa ser mágico e nem ter bola de cristal: as redes sociais desenham muito do interior de cada um. Nas postagens é possível reconhecer o amor desfeito, a falta de amor próprio, um novo amor, traições, a raiva, angústia, bondade, maldade, indiretas, safadezas…

Mesmo nas mensagens que parecem ingênuas e sem foco, basta prestar atenção: nas entrelinhas há colocações que denunciam os sentimentos. De alguma forma muitas pessoas entregam os seus tesouros mais escondidos, e tem um versículo bíblico que diz: “A boca fala do que está cheio o coração” (Mateus 12:34).

Casa do eletricista PRESSURIZADORES

Então, a gente precisa entender para que servem as redes sociais, buscar resolver as demandas internas com quem nos move, viver a intimidade sem publicá-la, reservando as particularidades para quem as divide conosco, deixando de expor para o mundo as “quintas” intenções e todas as vaidades possíveis.

Ademais, vivemos em um mundo que está de olho em tudo, antenado e ligado em detalhes. Por essas e outras tantas razões ser discreto e coerente evita interpretações duvidosas.

A gente precisa entender que redes sociais são para socializar, para conversar, publicar conteúdos positivos, compartilhar a vida sem usá-la para denunciar aquilo que sentimos e provocar as outras pessoas. Não precisamos expor até o DNA daquilo que vivemos, expor as relações, os filhos, postando incessantemente coisas que na verdade só interessam a nós.

Não tem nada de bonito expor a vida do avesso, entupindo as redes sociais com o mesmo conteúdo milhares de vezes. Isso cansa quem acompanha e a única reação que se provoca é: afffff…

Daí você pode dizer: as redes sociais são minhas e eu publico o que quiser, e na verdade existe razão nisso, então publique, mas assuma o risco de ser interpretado de acordo como isso tocar cada pessoa.

Quer a vida exposta? Ok, exponha!

Mas não dá para esquecer que as redes sociais falam mais de nós do que se pode imaginar. Sabendo disso, um pouco de cautela fará toda a diferença.

As minhas postagens não têm a ver com a minha vida pessoal; meu trabalho é lidar com as angústias alheias. Posto reflexões que de alguma forma possam ajudar quem estiver vivendo ou experimentando algo semelhante. Digo isso porque muitas vezes sou questionada se está tudo bem comigo.

Eu não exporia minhas angústias pessoais nas redes sociais. Para isso eu tenho a minha psicóloga.

 

Silvana Nardello Nasighil é psicóloga clínica (CRP – 08/21393)

silnn.adv@gmail.com

TOPO