Ford/Abradif/Rodovel Ranger
Dom João Carlos Seneme

“Não vim para abolir a lei, mas para dar-lhe pleno cumprimento”

O Evangelho deste domingo nos leva a refletir sobre a centralidade de Deus na vida do ser humano. O dia do Senhor deve ser sagrado porque faz memória da ação criadora e redentora de Deus para com o seu povo. Para os judeus o sábado é o Dia do Senhor, para os cristãos é o domingo, dia em que recordamos a ressurreição de Jesus. Este dia foi feito para a humanidade, nele recordamos o empenho pessoal de Deus na salvação de todos. Por isso mesmo deve ser dedicado um tempo especial de ação de graças onde nos encontramos em comunidade para celebrar a Eucaristia.

O texto faz parte do Evangelho de São Marcos. Ele descreve a fase inicial do ministério de Jesus e suas controvérsias com seus opositores. Dois episódios acontecidos em um sábado: os discípulos colhem espigas para comer e um homem com mão atrofiada é curado por Jesus. A pergunta de Jesus aos fariseus é marcante: O que é mais importante: salvar uma vida ou obedecer cegamente a lei? Todos se calam, Jesus conhece os corações humanos e se entristece pela falta de sensibilidade. Ele é o senhor do sábado, ele é Deus, e pode agir com liberdade e revelar o rosto misericordioso de Deus que coloca o ser humano no centro.

Nos dois eventos Jesus escolheu fazer o bem e ir ao encontro das necessidades das pessoas que estão diante dele. Proporciona-lhes o bem, satisfazendo-as, mesmo se isso lhe acarreta a decisão do conluio das autoridades políticas e religiosas contra Ele, para o condenarem à morte.

É importante ressaltar que Jesus não diminui a importância do sábado, enquanto dia consagrado a Deus, mas retoma a intuição inicial da Lei de Moisés, uma vez que “o sábado foi feito para o homem e não o homem para o sábado” (2,27). Jesus não é leviano em relação ao cumprimento da lei, ele recorda que o sábado ou domingo é o dia do encontro com Deus que vem em auxílio de quem está em necessidade.

A mensagem que nos fica deste evangelho é que Jesus é o caminho que nos conduz a Deus. Este é o objetivo dos evangelhos que nos introduz no mistério salvador de Deus. Nosso encontro no dia do Senhor, domingo, deve ser motivado pelo amor sincero e não porque devemos cumprir uma norma. Viver a observância religiosa com espírito legalista e sem amor ao Pai, a quem pertence o sábado (para os judeus) e o domingo (para os cristãos), é desvirtuar o verdadeiro valor da religião.

É preciso sempre estar em processo de conversão para não deixar que a dureza dos nossos corações contamine o Espírito de Deus que foi colocado em nós. “O Reino de Deus está próximo, convertam-se e creiam na Boa Nova”.

 

Dom João Carlos Seneme é bispo da Diocese de Toledo

revistacristorei@diocesetoledo.org

TOPO