Dom João Carlos Seneme

“O Espírito do Senhor está sobre mim, pois ele me ungiu”

 

O Evangelho deste domingo (2&) é formado por dois textos distintos, e um complementa o outro. No primeiro (Lc 1,1-4), São Lucas apresenta um resumo da atividade evangelizadora de Jesus. Ele esclarece que o Evangelho se baseia em fundamentos históricos relatados por testemunhas que viveram com Jesus. Sua intenção é nos recordar a importância da fidelidade às raízes e a solidez desta doutrina recebida de Jesus, através do testemunho legítimo que foi transmitido pelos apóstolos.

Na segunda parte (Lc 4,14-21), Jesus está na sinagoga de Nazaré e é convidado a ler um texto dos profetas e fazer um comentário. O texto é do profeta Isaías, que descreve como o Messias realizará sua missão. É o início da pregação de Jesus; o evangelista Lucas o situa em Nazaré. O cenário de fundo é a reunião dos judeus na sinagoga no sábado. A celebração litúrgica na sinagoga consistia em orações e leituras da Lei e dos Profetas, com o respectivo comentário. Os leitores eram membros da comunidade ou, como no caso de Jesus, visitantes conhecidos pelo seu saber na explicação da Palavra de Deus. O centro do relato está na proclamação de um texto do profeta Isaías (cf. Is 61,1-2) que descreve como é que o Messias concretizará a sua missão. Jesus, então, se levanta para ler; encontra a passagem que diz: “O Espírito do Senhor está sobre mim…”. Sua conclusão é surpreendente: “Hoje se cumpriu esta escritura!”.

Este será o projeto da vida de Jesus: evangelizar os pobres, apresentar a boa-nova da salvação que ele vai anunciar a partir de agora. Como membros da Igreja esta missão também é nossa: ser batizado é ser enviado a anunciar, através de nossas vidas, o projeto salvador de Deus realizado em Jesus Cristo. A Igreja toma consciência, através deste texto, de que a sua missão é a mesma de Cristo e consiste em levar a boa notícia da libertação aos mais pobres, os desprotegidos e marginalizados do mundo. Ungida pelo Espírito para levar a cabo esta missão, a Igreja cumpre o seguimento de Jesus. O papa emérito Bento XVI afirmou que ser cristão não é uma decisão ética ou uma grande ideia, mas o encontro com um acontecimento, com uma Pessoa que dá a vida um novo horizonte e, desta forma, o rumo decisivo: Jesus Cristo.

Por isso este texto é tão importante para a nossa vida de discípulo missionário porque ele coloca as bases sobre as quais vamos viver nossa fé e nossa missão. Na sua homilia, Jesus afirma que se realiza hoje a palavra de ontem do profeta Isaías. Ele anuncia a Boa Nova aos pobres e realiza a salvação. Então compreendemos porque é que os habitantes de Nazaré tinham os olhos fixos nele, viam que Ele falava como alguém que tem autoridade. Não somente as suas palavras eram “boa nova”, mas Ele próprio era a Boa Nova há tanto tempo esperada. Desde aquele tempo até os nossos dias ninguém consegue calar os mensageiros da Boa Nova da salvação. Ela é a mensagem de Cristo e precisa ser anunciada!

Vamos assumir com alegria o projeto de Jesus como Igreja, como povo reunido que forma um único corpo e bebe do mesmo Espírito. “A Eucaristia nos faz Igreja, comunidade de irmãos”. Somos chamados a formar um corpo sem divisões que atua no mundo como fermento na massa. Quando os dons se transformarem em serviços poderemos criar um mundo novo, bom para todos.

 

Dom João Carlos Seneme é bispo da Diocese de Toledo

revistacristorei@diocesetoledo.org

 

TOPO