Tarcísio Vanderlinde

O paradoxo da solidão

Uma definição de dicionário nos informa que a palavra “solicitude” se relaciona ao ato de ter boa vontade, desejo de atender da melhor maneira possível a alguma solicitação, empenho, interesse, atenção. Uma pessoa atenciosa é alguém solícita. Solicitude é palavra-chave no livro do sacerdote holandês Henry Nouwen (1932-1996). Segundo Nouwen, a solicitude pode emergir de uma boa prática de solidão.

Autor de 40 livros, quase todos sobre espiritualidade, Nouwen teve passagens pelas universidades de Harvard e Yale, além de se envolver com populações empobrecidas do Peru e com pessoas que apresentavam deficiência mental em escolas da Europa e Canadá.

Identificado com a Igreja Católica, seus livros têm sido descobertos e utilizados em muitas igrejas evangélicas. “O paradoxo da solidão”, publicado pelas Edições Paulinas em 1975, é um destes textos. Nele o autor fala da importância da atividade laboral à luz da solicitude e da solidão.

Ele conta que alguns anos antes de escrever o livro encontrou um velho professor na Universidade de Notre Dame. Rememorando sua longa vida de ensino, ele havia proferido a ele uma frase com um engraçado lampejo nos olhos: “Estive sempre a queixar-me que meu trabalho era constantemente interrompido, até que lentamente descobri que minhas interrupções eram o meu trabalho”.

Baseados nos ensinos de Jesus Cristo, Nouwen sugere a necessidade de solidão para se pôr a casa em ordem de vez em quando. Ele lembra que o Mestre costumava madrugar e se dirigir a lugares desertos, onde fazia suas orações. A solidão seria capaz de devolver o caráter humano em constante risco de ser desfigurado pelo excesso de distrações que a modernidade costuma oferecer. Além disso, ele considera que “seja onde for, sabemos que sem um lugar solitário nossas ações rapidamente se transformam em gestos vazios”.

A ânsia de ser útil na sociedade em que se vive move positivamente muitas pessoas, mas só a experiência de solidão é que levaria o sujeito a descobrir que não somos o que podemos conquistar, somos de fato a partir do que nos é dado. É na solidão que se descobre que a vida não é uma propriedade a ser defendida, mas um dom a ser repartido. É na solidão que também se pode envelhecer livremente sem se preocupar com a utilidade, de, por exemplo, oferecer um serviço novo.

É da solidão, enfim, que pode emergir a solicitude, o cuidado com o outro. Na solicitude não tem barganha. O amigo que tem solicitude é aquele que fica em silêncio ao nosso lado num momento de desespero e confusão. Que pode até não saber o que dizer, mas que encara conosco a realidade de nossa fraqueza. É a atitude humana corajosa de estar presente um ao outro.

“No pouco tempo de que dispomos para viver, podemos fazê-lo criativamente quando o vivemos pela solidão, a saber desprendidos dos resultados do nosso trabalho. E quando o vivemos com solicitude, chorando com os que choram”, conclui Nouwen.

 

O autor é professor da Unioeste

tarcisiovanderlinde@gmail.com

TOPO