Copagril
Dom João Carlos Seneme

O Senhor está próximo, alegrai-vos e exultai!

 

Domingo da alegria. O Senhor está próximo: “Solta gritos de alegria, filha de Sião! Solta gritos de júbilo, ó Israel! Alegra-te e rejubila-te de todo o teu coração, filha de Jerusalém!”. “Alegrai-vos sempre no Senhor. Repito: alegrai-vos!”

Por mais que os acontecimentos ao nosso redor e no mundo todo sejam tão contraditórios, a Palavra de Deus nos revela que estamos no centro do olhar de Deus. O Senhor ama a obra de sua criação e não a abandona jamais. Ele é fiel para sempre! Por isso a alegria do Senhor deve nos contagiar e se tornar permanente e duradoura. Ela não pode ser momentânea e nem mesmo superficial e individual. É uma alegria que vem de Deus e que nos envolve em seu mistério de amor e prova, através dos acontecimentos, que a chegada do Salvador está próxima e vem para iluminar todos os cantos obscuros de nossa vida. Em todos os acontecimentos de nossas vidas estará presente a luz inextinguível do amor de Deus.

Casa do eletricista TRATAM. E ACESS.

A alegria que Deus espera de nós não é resultado de nossos esforços e da superação de nossas dificuldades. É a alegria de saber que Deus está próximo, mesmo com nossas limitações; é a paz de quem sabe que nosso Deus partilha nossas dores e preocupações; é a alegria de quem compreende que a força de sua esperança vem de Deus e não de seus esforços. Deus nos ama não por aquilo que fazemos, mas porque faz parte de essência de ser Deus. Da nossa parte é necessário acolher este amor com humildade e deixar que este milagre provoque em nós mudanças radicais. A alegria do cristão é aceitar que Deus é maior do que nossas necessidades.

O papa Francisco afirma em sua Exortação Apostólica Alegria do Evangelho: “Há cristãos que parecem ter escolhido viver uma Quaresma sem Páscoa. Reconheço, porém, que a alegria não se vive da mesma maneira em todas as etapas e circunstâncias da vida, por vezes muito duras. Adapta-se e transforma-se, mas sempre permanece pelo menos como um farol que nasce da certeza pessoal de, não obstante o contrário, sermos infinitamente amados. Compreendo as pessoas que se vergam à tristeza por causa das graves dificuldades que têm de suportar, mas aos poucos é preciso permitir que a alegria da fé comece a despertar, como uma secreta mas firme confiança, mesmo no meio das piores angústias: “A misericórdia do Senhor não acaba, não se esgota a sua compaixão. Cada manhã ela se renova; é grande a tua fidelidade. (…) Bom é esperar em silêncio a salvação do Senhor» (Lm 3, 17.21-23.26).

A pregação de Joao Batista no evangelho, às margens do rio Jordão, convida seus ouvintes à conversão, transformar seu estilo de vida e comportamentos. Então surge a pergunta feita a João Batista: “E nós, que devemos fazer?” Cada um de nós deve se colocar em atitude reflexiva e fazer esta pergunta a si mesmo.

Dar frutos de alegria indica atitudes de paciência e acolhimento, capacidade de ser amável e tolerante, acolher as diferenças como riqueza. Não se deixar envolver pela raiva, ofensas. Chegar à conclusão que não se pode ser feliz sozinho e nem mesmo adotar a defesa do “porco-espinho” que se defende agredindo. O inimigo da alegria não é o sofrimento; é o egoísmo, o voltar-se para si mesmo, a ambição. Através de cada um de nós e de nossas atitudes, o mundo poderá conhecer o amor Deus. É a nossa missão de continuadores da obra de Jesus Cristo. Construir pontes que facilitam a construção da paz e justiça tão desejadas.

 

Dom João Carlos Seneme é bispo da Diocese de Toledo

revistacristorei@diocesetoledo.org

TOPO