Copagril
Elio Migliorança

O SONHO E A REALIDADE

Se quisermos dar mil passos é preciso começar com o primeiro, o segundo, o terceiro e assim por diante. Foi o que fizeram os organizadores das manifestações em Marechal Cândido Rondon, no domingo (12). Os mil passos representam as reformas sonhadas. As manifestações mostraram o Brasil dos sonhos, aquele que os manifestantes, com coragem para sair às ruas, solicitaram através das faixas, cartazes e comentários ouvidos no evento, do qual todos deveriam ter participado, pois custava pouco e tem um significado gigantesco. É triste, mas estamos vivendo um tempo em que o Brasil só tem solução na base da pressão. E omitir-se agora pode custar muito caro no futuro.

Os governantes vão fazer o possível para dar a entender que a ausência do povo nas ruas significa aprovação ao governo. É cada vez maior o número de pessoas que toma consciência da realidade e entende a gravidade do momento que vivemos, pois do jeito que as coisas estão serão necessários 20 anos para sairmos do buraco em que fomos jogados por administradores imprudentes e imorais.

Casa do Eletricista CÂMERAS

Destaque para algumas frases exibidas na manifestação. Um agricultor desfilando na avenida com seu trator repudiou a tentativa do governo em obrigar o emplacamento de tratores, com a frase: “emplaquem o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra), eles sim vivem na estrada”. Um pedestre escreveu: “por um povo que não quer mais pagar a corrupção com seu sangue”. Outras frases em cartazes diversos diziam: “Brasil, desculpe pela eleição dos corruptos. No Brasil quem tem ética parece anormal. O Brasil progride à noite, enquanto os políticos dormem. Brasil, explore a riqueza, pois a pobreza tá ferrada. No Brasil: povo=riqueza interior, corruptos=riqueza no exterior. Na vida só é certa a morte e os impostos. Temos democracia relativa e corrupção absoluta”. Já o Brasil real é aquele que está acontecendo principalmente em Curitiba e em Brasília.

Em Brasília temos um governo estilo “barata tonta”, que parece dirigir um navio no escuro e sem equipamentos de navegação, eleito com propostas que foram esquecidas após a eleição, agravado por uma crise com o Congresso Nacional e de desfecho imprevisível. Da crise de entendimento até pode resultar um avanço nas reformas sonhadas pela sociedade brasileira. Já em Curitiba temos notícias animadoras. Finalmente corruptos de renome estão indo para a cadeia. Vida real, cadeia com marmita e banho frio. E não são poucos. Um acontecimento notável se considerarmos que este foi ao longo de décadas o país da impunidade. Graças ao paranaense Sergio Moro, juiz federal que tem mostrado a face eficiente da Justiça.

Sergio Moro conduz o processo denominado “Operação Lava Jato” com uma sabedoria incrível, de forma que os subterfúgios existentes no direito para distorcer ou estender um processo através de intermináveis recursos foram desarmados um a um e os envolvidos estão na cadeia. Este processo ainda vai render muito, pois agora foi revelada sua conexão com a Caixa Econômica Federal e o Ministério da Saúde, dois setores onde circula muito dinheiro.

O Brasil é um país geométrico, tem problemas angulares, discutido em mesas redondas e roubado por bestas quadradas que finalmente estão indo para a cadeia.

 

* O autor é professor em Nova Santa Rosa

 

miglioranza@opcaonet.com.br

TOPO