Brincando na Praça 2019
Elio Migliorança

PREZADA SENHORA

Ao participar de uma reunião na região, uma senhora se aproximou e comentou os textos publicados neste espaço. E perguntou: você não gosta do Lula não é? Prosseguiu dizendo que ela achava que o presidente tinha projetado o Brasil no exterior e o país estava sendo mais respeitado e valorizado pelo mundo afora. Que os pobres comiam mais e melhor e o povo pobre finalmente estava sendo valorizado pelo governo. Ouvi suas considerações e ponderei que não se trata de gostar ou não do Lula, mas que as minhas críticas ao governo se referem à distância existente entre o discurso dele quando na oposição e as suas atitudes agora no governo.
Eu queria mudanças na época, e votei duas vezes no Lula. Numa eu me dei bem porque ele perdeu e na outra me dei mal porque ele ganhou. O desencanto começou quando o governo dificultou as investigações no caso do “mensalão” e depois protegeu os envolvidos. Na oposição o próprio Lula propunha CPI para qualquer denúncia, mas agora o governo sepultou a maioria delas negando a corrupção.
O Bolsa Família é um ótimo programa para resolver uma situação emergencial, mas não devia ser projeto permanente. Todos deviam ganhar por seu trabalho e não viver da esmola alheia.
Foi prometida uma reforma política, uma reforma trabalhista e outra tributária, todas esquecidas de livre e espontânea vontade.
Segundo ele, o Brasil foi descoberto e construído por seu governo e nunca antes na história desse país ninguém fez nada. É uma arrogância mesquinha e inaceitável. Foram contratados 100 mil novos funcionários e isso custará caro no futuro.
A CPI da Petrobras foi assassinada pela base do governo e se o “petróleo é nosso” temos o direito de saber o que fazem com nosso dinheiro.
O Lula na oposição tinha apoio e solidariedade quando perseguido e preso, mas em Cuba preferiu beijar Judas, digo Fidel Castro, ao invés da solidarizar-se com os presos políticos em greve de fome.
Temos dinheiro para financiar obras no exterior e as obras do PAC andam mal das pernas, são denunciadas por superfaturamento e o que o presidente faz? Critica o Tribunal de Contas da União. Nossa dívida saltou de US$ 200 bilhões para
US$ 1,4 trilhão, e isso custa o sangue do povo brasileiro para pagar os juros.
Aos boxeadores cubanos foi negado asilo político, mas o assassino Césare Battisti, condenado na Itália, está protegido por Lula no Brasil.
O sofrido agricultor brasileiro tem que entregar 20% de sua terra para reflorestamento, mas o governo gasta bilhões para ajudar empresas e bancos em dificuldades. Por que não comprar de cada um estes 20% e entregá-los ao próprio agricultor para fazer a proteção ao meio ambiente?
O MST com suas bandalheiras por aí tem toda a proteção dos órgãos governamentais, e o governo ainda tentou legalizar isso através do famigerado Plano Nacional de Direitos Humanos.
Prezada senhora: são tantas contradições, e creio ter esclarecido que não se trata de gostar ou não do Lula, se trata de constatar que neste país se castiga quem trabalha, quem recolhe impostos, quem é honesto e quem não é partidário do governo. Nossos filhos merecem um futuro melhor.

TOPO