Copagril – Sou agro com orgulho
Paraná Produtivo - ADI-PR

Produtividade do trigo pode alcançar 3,5 milhões de toneladas no Paraná, 65% a mais do que em 2019

Marca da Ferroeste

Casa do Eletricista – Energia Solar

A Ferroeste transportou, em maio, 1.001 contêineres refrigerados até o Porto de Paranaguá, a maior carga de sua história e a primeira vez que a empresa ultrapassou a marca de mil unidades. Foram carregadas aproximadamente 30 mil toneladas de proteína animal congelada no terminal de Cascavel, volume 23% maior do transportado em maio do ano passado. A quantidade também superou o último recorde de movimentação de contêineres pela Ferroeste, em janeiro deste ano, com 946 unidades carregadas. A empresa fechou o primeiro quadrimestre de 2020 com lucro de R$ 1,66 milhão, o maior de sua história para o período. Assim como a ampliação da capacidade de escoamento da safra de grãos, o aumento no carregamento de contêineres que saem de Cascavel com destino ao Porto de Paranaguá é resultado de um acordo com a Rumo Logística, que reduziu o tempo de trânsito dos trens pelo modal.

 

Mapa libera trânsito

Nied 2021 F

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) autorizou na última quarta-feira (03) o trânsito de bovinos e bubalinos entre o Rio Grande do Sul e os Estados do Paraná e do Bloco I (Acre, Rondônia e regiões do Amazonas e Mato Grosso). A medida deve minimizar os impactos das restrições impostas em dezembro do ano passado e abril deste ano, sem prejuízo das garantias sanitárias que fundamentam o pleito brasileiro. O ministério considera que estes estados e regiões estão em fase de transição, cumprindo os requisitos necessários para o pleito de zonas livres de febre aftosa sem vacinação junto à Organização Mundial de Saúde Animal, com regramentos e controles sanitários consonantes. Os estados de Santa Catarina e Paraná já são considerados livres de aftosa sem vacinação. O Rio Grande do Sul está buscando este status.

 

(Fotos: Divulgação)

 

Vendas de trigo

A comercialização de trigo no Paraná alcançou 6% da produção estimada para a safra que está sendo plantada no Estado, com produtores aproveitando a alta de preços impulsionada pelo câmbio, disse o gerente técnico e econômico da Ocepar, Flávio Turra. “Preços estão acima de R$ 1 mil por tonelada, acima de R$ 60 a saca, um valor atrativo para antecipação das vendas (…). Também sabemos que, com o arrefecimento do câmbio, a tendência é que esses preços diminuam um pouco”, afirmou Turra em evento online promovido pela associação da indústria do setor Abitrigo. Com base em dados do Departamento de Economia Rural (Deral) do Paraná, Turra afirmou que a produção estimada para esta temporada é de 3,5 milhões de toneladas, avanço de 65% em relação ao ano anterior, quando a produção foi fortemente afetada por adversidades climáticas.

 

 

Cresol: 25 anos

O Sistema Cresol celebra neste mês de junho 25 anos. Uma história que iniciou com o objetivo de fornecer apoio, por meio do acesso ao crédito aos seus cooperados. Hoje a Cresol segue com a missão de fornecer soluções financeiras com excelência por meio do relacionamento para gerar desenvolvimento dos cooperados, de seus empreendimentos e da comunidade. A primeira cooperativa do Sistema foi a Cresol Dois Vizinhos, hoje Cresol Pioneira, fundada em 24 de junho de 1995. No mesmo ano mais quatro cooperativas foram criadas no Paraná e abriram suas portas no ano seguinte. Em Francisco Beltrão, considerado o berço do cooperativismo solidário, foi criada uma base de serviços que mais tarde seria formalizada como Central Cresol Baser, a pioneira das quatro centrais que compõem o Sistema Cresol que possui 560 agências e mais de 550 mil cooperados em 17 Estados.

 

 

Porto de Paranaguá

As exportações do complexo soja pelo porto de Paranaguá mais que dobraram em maio. Foram 2,4 milhões de toneladas embarcadas, duas vezes o carregado no mesmo mês de 2019 (1,2 milhão). O resultado confirma o bom desempenho do complexo (grão e farelo), que ultrapassou a marca de 2 milhões de toneladas exportadas, pelo terceiro mês consecutivo, em 2020. O volume carregado nos cinco primeiros meses do ano já soma 9,6 milhões de toneladas: 33% mais que o embarcado no mesmo período do ano anterior. Este ano, os três berços do Corredor de Exportação do Porto de Paranaguá só registraram embarque de milho em janeiro. De fevereiro até maio, a soja dominou as movimentações. Especificamente o produto em grão teve um crescimento de quase 70%, na comparação entre os cinco primeiros meses de 2019 e 2020. Subiu de 4,29 milhões para 7,28 milhões de toneladas. Só em maio, foram exportadas cerca de 1,95 milhão de toneladas. Volume que é 248% maior que as 561.284 toneladas de soja em grão carregadas pelo complexo no mesmo mês do ano anterior.

 

Câmara dos EUA

O Comitê de Assuntos Tributários da Câmara dos Deputados dos EUA disse na quarta-feira (03) que se opôs ao plano do governo Trump de expandir os laços econômicos com o Brasil, dado seu histórico no que diz respeito aos direitos humanos e ao meio ambiente durante o governo de Jair Bolsonaro O presidente do comitê, Richard Neal, e seus colegas democratas no Comitê afirmaram, por meio de uma carta ao representante comercial dos EUA, Robert Lighthizer, que o governo Bolsonaro vem mostrando “uma total desconsideração pelos direitos humanos básicos”. “Nós nos opomos fortemente a buscar qualquer tipo de acordo comercial com o governo Bolsonaro no Brasil. O aprimoramento do relacionamento econômico entre os EUA e o Brasil, neste momento, iria minar os esforços dos defensores dos direitos humanos, trabalhistas e ambientais brasileiros para promover o estado de direito e proteger e preservar comunidades marginalizadas”.

 

Parlamento da Holanda

Deputados holandeses aprovaram na quarta-feira (03) uma moção contra a ratificação do acordo de livre comércio da União Europeia com o Mercosul, anunciado há quase um ano, por causa da preocupação com a situação da Amazônia, entre outros aspectos. “Pela primeira vez, a Câmara dos representantes tomou uma posição contra um acordo comercial ao qual o nosso governo era muito favorável. A Câmara chama a atenção do primeiro-ministro. É verdadeiramente uma vitória para a Amazônia e para a agricultura sustentável”, afirmou Esther Ouwehand, líder do Partido dos Animais, que propôs a moção. Resta saber o que o governo holandês fará daqui em diante. Como o processo europeu não deve ser finalizado antes do final de 2020, é possível que o processo de ratificação se arraste até as próximas eleições no país, que estão previstas para 2021.

 

Quase 500 novos surtos

A Organização Mundial da Saúde (OIE) divulgou que novos 498 surtos de Peste Suína Africana foram notificados no mundo. Com o resultado, o total de casos em andamento é de 7.116. Os números se referem ao período de 15 a 28 de maio. No relatório anterior, haviam sido notificados 440 novos casos, enquanto 7.200 estavam em andamento. Do total de casos, 471 foram notificados pela Europa e outros 25 na Ásia. A África reportou 2 novos casos no período. De acordo com a OIE, a doença atualmente atinge 23 países no mundo. A Europa tem 10 países afetados: Bulgária, Grécia, Hungria, Letônia, Moldávia, Polônia, Romênia, Rússia, Sérvia e Ucrânia. Na Ásia há também dez países com casos em andamento: China, Coreia do Sul, Coreia do Norte, Laos, Papua Nova Guiné, Filipinas, Rússia, Timor Leste e Vietnã. A África tem três países com registros de PSA: Costa do Marfim, Namíbia e África do Sul.

 

Fomento Paraná

A Fomento Paraná bateu um recorde diário no número de empréstimos em um único dia. Na última terça-feira (02) foram liberados 402 contratos das linhas Paraná Recupera, microcrédito e de repasses de recursos do BNDES. “Este é um marco histórico para a instituição. O número de contratações em um único dia chegou quase na média de 470 contratações por mês que realizamos em 2019, quando batemos recordes no microcrédito”, compara Heraldo Alves das Neves, diretor-presidente da instituição. “Havia um estoque de propostas e recebemos mais de 28 mil pedidos novos a partir de 27 de março, com o lançamento do programa Paraná Recupera”, relata Everton Ribeiro, diretor de Operações. “Foram analisadas 12,4 mil propostas desde então. Aprovamos 8 mil e outras 4.400 foram excluídas por motivos diversos. Estamos trabalhando em outras 21 mil solicitações e a cada dia chegam novos pedidos”.

 

60% dos hotéis

Em meio ao afrouxamento das medidas de isolamento social e reabertura de algumas atividades econômicas, caiu nesta semana o número de hotéis fechados no país. Apesar da reabertura de algumas unidades que estavam sem funcionar desde o final de março, 60% dos hotéis brasileiros continuam fechados, de acordo com pesquisa do Fórum dos Operadores Hoteleiros do Brasil (Fohb). No final de abril, o percentual de hotéis fechados no país chegou a 69% e, na semana passada, estava em 63%, segundo o levantamento. O presidente executivo do Fohb, Orlando de Souza, explica que na maioria dos casos a iniciativa de suspender temporariamente as atividades partiu dos próprios hotéis, em razão da demanda baixíssima, e que foram raríssimos os casos em que o fechamento foi determinado por decreto da autoridade local.

 

Produção de eletroeletrônicos

A produção da indústria elétrica e eletrônica do Brasil recuou 43,7% em abril na comparação com o mesmo período do ano passado, conforme dados divulgados pelo IBGE e agregados pela Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) na quinta-feira (04). Os dois segmentos registraram quedas parecidas, com a área de elétrica caindo 43,6% e a de eletrônica com baixa de 43,8%. Na comparação com março, a queda da indústria eletroeletrônica foi de 30,3%, registrando a maior queda já verificada na série histórica do setor, iniciada em 2002. Essa foi a terceira retração consecutiva na produção do setor. No acumulado de janeiro a abril de 2020, a produção industrial do setor eletroeletrônico recuou 11,8%. Esse resultado foi consequência tanto da queda de 12,9% da área eletrônica quanto da retração de 10,7% da área elétrica, de acordo com a Abinee.

 

Produção de veículos

A produção no setor automotivo brasileiro totalizou 43,1 mil carros, comerciais leves, caminhões e ônibus em maio, um salto em relação a abril, quando foram fabricadas apenas 1,8 mil unidades, de acordo com dados da associação que representa o setor, Anfavea, na sexta-feira (05). Na comparação com maio de 2019, contudo, a produção ainda mostra um tombo de 84,4%, em meio a reflexos das medidas de restrição para conter a disseminação da Covid-19. A indústria automotiva do Brasil teve queda de 99% na produção de abril ante março, impactada pelas medidas de quarentena adotadas por Estados e municípios desde o final de março. Fábricas em todo o país paralisaram suas atividades, fazendo o setor buscar negociações de financiamento junto ao governo federal.

 

Redação ADI-PR Curitiba

Coluna publicada simultaneamente em 20 jornais e portais associados. Saiba mais em www.adipr.com.br.

TOPO