Silvana Nardello Nasihgil

Que tal estarmos juntos unidos?

O mundo desabando, incertezas e inseguranças, e o que você tem feito? Como está o seu coração quando olha para a sua família? Você tem noção que a hora agora é de união, de deixar mimimi de lado e cuidar uns dos outros?

Quem ainda não aderiu ao isolamento logo terá que se render e aceitar que só estando dentro de casa poderemos evitar tragédias.

Casa do Eletricista – TORNEIRAS ELÉTRICAS

Então, uma vez todos juntos, famílias vivendo o que talvez nunca tenham vivido, dividindo os espaços, sentando juntos à mesa, preparando os alimentos, tendo que traçar estratégias de convivência e sobrevivência, e por aí vai…

Será que diante desse caos não seria prudente tomarmos como lição de casa: abrir a boca só para coisas positivas?

O mundo e a tragédia que nos assola tem muito a nos ensinar: hora de serenar o coração, de buscarmos uns nos outros aquilo que nos uniu, respeitando o fato de estarmos juntos e nos unirmos.

É hora de lembrarmos que somos uma família e que escolhemos viver isso, que não aconteceu por acaso.

É hora de exercitar o amor, o cuidado, de baixar o tom da voz, parar de relembrar coisas negativas, parar com cobranças desnecessárias, hora de olhar cada um como parte do todo.

Hora de respeitar os medos uns dos outros, as angústias e todas as diferenças.

Hora de trazer serenidade e esperança e não a discórdia.

Vamos precisar, se não por força do amor, pela necessidade, estar juntos. Que tal estarmos juntos unidos?

Que tal aproveitarmos que acabaram as desculpas de não ter tempo e prestar atenção no dentinho do seu filho que nasceu e você se quer deu conta que ele caiu. Da mudança da cor do cabelo da sua esposa que você não percebeu. Da carência do seu marido que você não tem noção porque andou muito ocupada. Que tal rever valores e buscar juntos uma reconstrução?

Muitas vezes precisamos de uma tragédia para acordarmos. Já que estamos vivendo um caos, onde não temos certeza de nada, seria muito construtivo e positivo se usássemos a nossa inteligência emocional para construir laços, ao invés de tornar a vida em isolamento uma tragédia insuportável.

Vamos aproveitar para unir nossas famílias, rezarmos juntos, criarmos situação de fortalecimento, onde os pequenos possam se sentir seguros e os adultos esperançosos.

Chega de vaidades, de disputar forças e de desejar ter sempre a última palavra. Não estamos disputando nada a não ser o direito de continuarmos saudáveis e vivos.

A hora agora é de construção, de serenarmos os corações e buscarmos viver em paz, adicionando amor e compreensão às nossas vidas, ao invés de tornar esse caos lá de fora algo pior nas nossas vidas e nos nossos corações.

Repensem as atitudes que estão sendo tomadas, comportamentos imaturos, as descompensações emocionais porque agora a hora é de exercitar o amor.

Precisamos ter maturidade para não estendermos a tragédia externa para dentro das nossas famílias.

Mais amor uns pelos outros, mais compreensão, mais serenidade, mais partilha, escuta, acolhimento, mais amor, por favor!

Procure não dar aos seus filhos a certeza de que não são respeitados, de que aquilo que eles sentem como abandono quando os seus pais ao invés de amá-los se preocupam em brigar, seja verdade!

Se houver guerra, que seja só de travesseiros!

 

Silvana Nardello Nasihgil é psicóloga clínica com formação em terapia de casal e familiar (CRP – 08/21393)

silnn.adv@gmail.com

TOPO