Ford KA Fev 2021
Pref. Marechal CORONA 2021
Copagril – Sou agro com orgulho
Arno Kunzler

Quem é o Centrão?

O denominado Centrão da política brasileira é cada vez mais um movimento de deputados que se unem para barganhar os governantes de plantão, sejam do PT, MDB ou sem partido, como o de agora.

Não parece errado considerar que o Centrão é a pior espécie de grupo político. Não tem ideologia, não tem compromisso com partido que os elegeu, não tem compromisso com o país, não tem compromisso com a ética, só tem compromisso consigo mesmo e seus interesses obscuros.

Casa do Eletricista – 99% dos problemas

Há muito tempo os governos atrelados ao Centrão têm dificuldades.

Não dificuldades para governar, mas dificuldade para se manter éticos e honestos.

O Centrão parece um pêndulo que puxa sempre para o lado onde tem dinheiro público em abundância para abastecer as insaciáveis contas de políticos corruptos.

E quando um governante precisa de deputados, ele sabe bem onde encontrá-los e também sabe a que preço eles se tornam fiéis.

Nos últimos dias vivemos intensas negociações no Congresso em busca de votos para a eleição do novo presidente da Câmara e do Senado.

O presidente Jair Bolsonaro, aconselhado pelos líderes na Casa (deputados do Centrão), entrou na disputa para alijar qualquer possibilidade de eleger um deputado ligado a Rodrigo Maia.

Uma disputa explícita, como há muito tempo não se vê, onde cargos e recursos públicos são moeda de troca.

Como a Câmara Federal está bem dividida, entre os que apoiam o candidato do presidente Bolsonaro e os que apoiam o candidato do presidente da Casa, Rodrigo Maia, o período que antecede a eleição é de um verdadeiro “vale tudo”.

Pobre Congresso, que está sendo submetido a mais uma batalha de desmoralização e exposição dos vícios e descaminhos percorridos pelos seus integrantes.

O nosso Parlamento precisa se regenerar para ser de fato a casa do povo, em cujos integrantes o povo pode confiar e de quem o povo pode se orgulhar.

Estamos longe disso e pelo jeito vamos nos distanciar mais ainda, especialmente se as barganhas surtirem o efeito desejado.

E a pior notícia para nós brasileiros, seja quem for o próximo presidente da Casa de Leis, é pouco provável que teremos as reformas prometidas colocadas em votação.

O Centrão gosta e se apega fácil às empresas públicas com bastante dinheiro, não a projetos de governo.

E se tiver que votar projetos impopulares ou enfrentar uma crise econômica, abandona o governo na mesma hora.

Lamentavelmente, essas são as impressões que podemos colher sobre o futuro próximo.

Com a alta dos preços quase de forma generalizada e os salários defasados, haverá pressão sobre o governo e sobre o Congresso.

Essa conta, que ainda não chegou, mas está sendo gestada, nós já sabemos quem vai pagar.

 

Arno Kunzler é jornalista e diretor do Jornal O Presente e da Editora Amigos

arno@opresente.com.br

TOPO