Copagril
Arno Kunzler

Recado da Nação…

Mais uma vez os brasileiros foram às ruas protestar contra os políticos e as instituições públicas que colaboram de alguma forma para que os serviços públicos não sejam dignos e nem ofereçam perspectivas de melhora.

O recado mais claro que a Nação mandou para os político é que eles não podem mais fazer o que querem, na surdina, sem que haja uma reação.

Casa do Eletricista CÂMERAS

Ignorar essa capacidade de mobilização dos brasileiros é negligenciar no poder.

Não há mais tolerância para sucessivos erros e equívocos continuados e muito menos para manter os privilégios de alguns que se agarram no poder e pensam que podem sangrar a Nação para custear suas benesses.

Acabou o tempo deles, talvez não saibam em que galhos estão pendurados.

Se ainda não perceberam que precisam mudar de atitude para reforçar sua permanência, é bom que percebam isso logo.

O povo brasileiro foi omisso durante décadas, talvez séculos, quando tramaram toda sorte de benesses e agora se agarram no “direito adquirido”.

Como se sem-vergonhice tivesse garantia constitucional e, pior, enquanto não formos enfrentar isso vamos continuar pagando essa imoralidade de salários e aposentadorias e pensões injustificadas e “indevidas”.

Uma garantia fora da lei que as próprias instituições que deveriam fiscalizar e condenar quem faz isso se apoderam e participam desse jogo sujo.

É por isso que os brasileiros vão às ruas demonstrar sua insatisfação, por enquanto de forma ordeira e educada.

Mas com certeza se nossas instituições não tiverem ouvidos para o grito que vem das ruas ouvirão e terão que enfrentar outro tipo de protesto.

Oxalá, não seja necessário derramar sangue para acabar com os privilégios, ilegais, imorais e mantidos às custas da sangria dos cofres públicos e de uma carga tributária que se aproxima a ser a maior do mundo.

Não podemos incentivar e nem permitir a anarquia política, mas, sinceramente, nossos políticos fazem um esforço para chegarmos a esse ponto.

Nossos políticos fazem um esforço para desacreditarmos aquilo que tanto lutamos para ter: democracia e liberdade.

A falta de compromisso dos eleitos com os anseios populares, manifestados durante as eleições e depois, durante manifestações que cada vez mais se agigantam, égritante e desrespeitosa.

Achar que o povo esquece, que o povo vota de novo nos mesmos por falta de opção, pode ser um cálculo errado dos que hoje nos representam.

Manifestar sua opinião sinceramente e votar com convicção naquilo que acredita é perfeitamente democrático e deve ser respeitado.

Nem todos pensam igual e nenhuma democracia pode ser boa se as decisões forem por unanimidade.

Esconder o voto, um dia aparecer na TV e falar uma coisa, noutro dia votar outra, é jogo sujo que merece repúdio.

TOPO