Elio Migliorança

REGRAS CLARAS e ÓLEO DE PEROBA

Resolvi contribuir com uma das classes mais desinformadas deste país, que acusada de um crime – pagar passagens com nosso dinheiro -, alega que ninguém disse que isso era proibido. Esta sofrida e injustiçada classe é o nosso Congresso Nacional. Passaram a semana dizendo que todo o “imbróglio” em torno das passagens aéreas utilizadas por familiares e amigos aconteceu porque as regras não eram claras. Senhores deputados e senadores: ou vocês são idiotas porque o privilégio, criado por vocês mesmos para poder voar por nossa conta, destinava-se aos congressistas, ou então acham que nós somos idiotas ao ponto de acreditar que vocês estão falando a verdade quando dizem que não sabiam que isso era ilegal.
Segundo os dez mandamentos, roubar é pecado, e, segundo a lei, roubar é crime. Quando um congressista utiliza nosso dinheiro para pagar passagens para parentes e amigos, está roubando nosso dinheiro que chegou ao caixa do governo através dos impostos que pagamos. Do presidente da Câmara, Michel Temer, ao insuspeito Fernando Gabeira, todos tiveram que admitir que nos roubaram. Para tamanha cara-de-pau é necessária uma grande quantidade de óleo de peroba, consumo que deve ter ido às alturas, quando deputados e senadores tentaram justificar o injustificável aos seus eleitores, dizendo que não sabiam que isso estava errado. O que não devem estar fazendo com os outros privilégios que eles mesmo criaram para si? Auxílio moradia, combustível, correio, telefone, verba indenizatória e tantas outras indecências criadas para nos ludibriar e ganhar mais. E ainda fomos surpreendidos com a notícia de que o campeão paranaense de distribuição de passagens a parentes e amigos é um deputado de nossa região. Enquanto nós estamos sofrendo a angústia de uma estiagem, que vai levando para o ralo mais uma safra, e junto com ela nosso suor e nossas economias, essa gente está passeando com nossos dinheiro, viajando para o exterior e provavelmente rindo da nossa cara. Sempre acreditei que gente de nossa região, com tradição familiar e critérios cristãos, podia fazer a diferença no Congresso Nacional e dar um exemplo de honestidade e respeito com nosso dinheiro. Decepção. Falta de vergonha na cara. Amanhã, 30 de abril, vence o prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda. Enquanto todos estão angustiados com os custos dos impostos e fazendo malabarismos para deixar suas obrigações em dia, nossos representantes vivem no mundo da fantasia, como se dinheiro pudesse ser colhido nas árvores e o único esforço que fazem é gastar o máximo possível, inventando mil e uma formas de se autoremunerar. Deputado e senador deviam ganhar R$ 60.000,00 por mês e se virar com todas as suas despesas: funcionários, passagens, telefone, correspondências, combustível, moradia, automóvel, etc. A cada um seria fornecida uma sala para o gabinete e cada um teria que se virar com o que precisar para o exercício do seu mandato. E ponto final. E se parentes e amigos não tiverem dinheiro para viajar, que passeiem nas ruas da cidade.

TOPO