Ecoville – Maior rede de limpeza
Tarcísio Vanderlinde

Às vezes rude, mas firme até o fim

A celebração dos 500 anos da Reforma Protestante trouxe à tona farto material informativo. Com textos e vídeos adequados a um tempo em que não se tem mais paciência para escutar e ler, as informações cumpriram o objetivo de possibilitar visibilidade ao evento. Contudo, as mensagens nem sempre foram suficientes para entender os motivos que despertaram a angústia e o inconformismo em um monge preocupado sobretudo com a salvação de sua alma.

Por outro lado, um passeio pela cyber teia permite ao curioso constatar a existência de grupos religiosos queainda não tomaram conhecimento sobre o que se tem falado de Lutero, principalmente a partir do Concílio Ecumênico Vaticano II, ocorrido nos longínquos anos de1960. Para esses grupos, Lutero é ainda visto como herege e avesso às questões sociais.

Casa do eletricista PRESSURIZADORES

Em audiência com representantes evangélicos da Finlândia ocorrida no início deste ano, ao evocar uma celebração conjunta anterior com evangélicos em Lund (Suécia) em 2016, o papa Francisco declarou: “A intenção de Martinho Lutero, há 500 anos, era renovar a Igreja, não dividi-la”.Admite-se não ser uma declaração qualquer. Tolere-se, todavia, quem de boa-fé tem opinião diversa.

Assim como nós, Lutero foi servo de seu tempo. Contudo, ele era capaz de fazer uma autocrítica que poucos ainda hoje teriam coragem de fazer. Sabe-se disso, pelo hábito que Lutero tinha em escrever. Quando percebeu, por exemplo, que os que simpatizavam com sua causa passaram a ser chamados de “luteranos”, ele se opôs com veemência: “Peço que meu nome seja calado e que ninguém se chame luterano, senão cristão. Que é Lutero? Pois se a doutrina não é minha! Eu também não fui crucificado por ninguém”. Além disso, é bastante conhecida a expressão em que se considera um “pobre e fedorento saco de vermes”.

Apesar dos equívocos de Lutero admitidos pelos próprios estudiosos luteranos, a causa de Lutero emergiu de uma preocupação pessoal com sua existência e acabou trazendo benefícios para toda a cristandade. Com algumas questões sociais e teológicas ele teve limites em lidar, mas ninguém poderá dizer que seu empenho em traduzir e popularizar os escritos bíblicos foi pouca coisa.

O resultado da tradução associado à distribuição do texto é avaliado pelo historiador Martin Dreher como sendo “uma importante penetração de um meio de comunicação de massa no tecido social de então. Havia agora a possibilidade de ler, ouvir, debater, interpretar, fazer deduções. A Bíblia tornou-se próxima. Não era apenas uma doutrina que ensinava como herdar o céu. Tornou-se slogan, instrumento para exigências de transformação social”.

Uma das críticas que se costuma fazer a Lutero – talvez a menor – é em relação ao tom irreverente que aparece em muitos de seus textos. E sobre isto o historiador Justo Gonzalez observa: “Lutero aparece como um homem por vezes rude, mas também erudito, cujo impacto se deveu a dar à sua erudição uma conotação e aplicação populares. Era indubitavelmente sincero até a paixão e frequentemente vulgar nas suas expressões. Sua fé era profunda e nada lhe importava tanto, como ela. Quando se convencia de que Deus queria que tomasse certo caminho,o seguia até as últimas consequências e não como alguém que, pondo a mão no arado, olha para trás”.

TOPO