Copagril
Dom João Carlos Seneme

Sagrada Família de Nazaré, modelo de fidelidade a Deus

Amanhã (28) celebramos a Festa da Sagrada Família. A família de Jesus se torna modelo de nossas famílias e nossas comunidades. Uma família cristã e uma comunidade cristã devem viver intensamente o amor entre si, numa atitude de abertura aos apelos de Deus e com o olhar e o coração atentos às necessidades dos irmãos.

O Evangelho nos coloca José e Maria apresentando Jesus no templo de Jerusalém. Este gesto revela o amor de uma família aos ensinamentos de sua religião: oferecer o primogênito a Deus como um gesto de amor ao Criador. Ali Maria e José encontram-se com Simeão e Ana, representantes do povo de Israel que esperavam a chegada do Messias. Ao verem Jesus, reconhecem nele a promessa de Deus realizada e manifestam o seu agradecimento a Deus por poderem estar vivos para presenciar este momento. Homem e mulher de fé conseguem perceber os sinais de Deus no contexto da vida. Depois disso, podem dizer com alegria que podem partir em paz: Deus está no meio de nós!

Casa do Eletricista folha LORENZETTI

A cena da apresentação de Jesus no templo antecipa o que será a sua missão: revelador do amor de Deus e Salvador da humanidade. Ao mesmo tempo, podemos ver a missão dos pais de Jesus, colaboradores na realização de sua missão. A família que segue os passos de Jesus Cristo tem a missão de se tornar uma família que escuta a Palavra de Deus e que constrói a sua existência ao ritmo da Palavra de Deus e dos desafios de Deus. Maria e José creram no Senhor. Por isso abriram mão de seus projetos pessoais pra aderirem ao desígnio salvífico de Deus. Souberam viver, em cada etapa da vida, o desafio de compreender e acolher o mistério de Deus presente na vida de Jesus, que eles educaram e viram crescer.

Maria e José perceberam que uma família que escuta a Palavra de Deus e que procura responder aos desafios postos por essa Palavra é uma família feliz, que encontra na Palavra indicações seguras acerca do caminho que deve percorrer e que se constrói sobre a rocha firme dos valores eternos.

Jesus, nascendo no seio de uma família, revela-nos que ela é um lugar privilegiado para a revelação de Deus ao homem. Com efeito, reconhece-se na família o lugar normal e quotidiano do encontro com Cristo. O povo cristão olha para a família de Nazaré como exemplo de relação de amor, como ponto de referência para cada realidade familiar e como conforto na tribulação. A Igreja dirige-se à família de Nazaré para confiar as famílias na sua realidade concreta de alegria, de esperança e de sofrimento.

O documento de preparação para o Sínodo da Família em 2015 evidencia a importância do amor vivido em família, definida como “sinal eficaz da existência do Amor de Deus”, “santuário do amor e da vida”. A primeira experiência de amor e de relação é feita em família. A família é definida “escola de amor”, “escola de comunhão”, um “ginásio de relações”, o lugar privilegiado no qual se aprende a construir relações significativas, que ajudem o desenvolvimento da pessoa até a capacidade da doação de si. O conhecimento do mistério e da vocação da pessoa humana está ligado com o reconhecimento e o acolhimento no seio da família dos diferentes dons e capacidades de cada um. Sobressai aqui a ideia da família como “primeira escola de humanidade”: nisto ela é considerada insubstituível.

Este é o último domingo do ano. É um momento ideal para procurar um lugar silencioso e calmo para rezar, entrar em sintonia com Deus. Vamos fazer uma retrospectiva dos últimos 12 meses e descobrir as milhares de razões que temos para louvar a Deus e agradecer-lhe pelos dons que recebemos. Sejamos honestos e humildes. Peçamos perdão pelos erros e pecados, especialmente por todas as coisas boas que não conseguimos fazer. Mas, acima de tudo, vamos relembrar e trazer diante da presença de Jesus os sofrimentos do nosso mundo. Não tenhamos medo de incluir aqueles que estão perto de nós, mas vamos lembrar daqueles que não têm ninguém que se recorde deles em suas orações.

Feliz ano novo.

 

* O autor é bispo da Diocese de Toledo

revistacristorei@diocesetoledo.org

 

 

TOPO