Novembro Azul
Dom João Carlos Seneme

São Pedro e São Paulo, pedras fundamentais da Igreja

Neste domingo (1º) celebramos a solenidade do martírio de São Pedro e São Paulo. Através deles recordamos a identidade da Igreja: Corpo de Cristo, testemunha de Jesus Cristo. Neste dia celebramos a festa dos “fundadores” de nossa fé, eles são os “patriarcas” da fé cristã. “Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja”, disse Jesus.

O prefácio da missa deste domingo nos introduz no mistério que une estes dois apóstolos-mártires, tão diferentes entre si, mas unidos pelo mesmo amor à pessoa de Jesus. Vejamos o texto: “Hoje, vós nos concedeis a alegria de festejar os apóstolos São Pedro e São Paulo. Pedro, o primeiro a proclamar a fé, fundou a Igreja primitiva sobre a herança de Israel. Paulo, mestre e doutor das nações, anunciou-lhes o evangelho da salvação. Por diferentes meios, os dois congregaram a única família de Cristo e, unidos pela coroa do martírio, recebem hoje, por toda a terra, igual veneração”. Esta diversidade nos convida a construir a comunhão eclesial.

Casa do Eletricista folha LORENZETTI

Pedro foi chamado por Jesus enquanto exercia seu trabalho às margens do lago de Tiberíades. Era um pescador da Galileia junto com o pai, Jonas, e o irmão, André. Foi precisamente numa tarde, enquanto lançavam as redes, que Jesus passou e convidou: vinde após mim; eu vos farei pescadores de homens. Naquele dia teve início a trajetória de Pedro: seguiu o Mestre por toda a Palestina; depois da morte de Jesus continuou sua missão anunciando a todos tudo o que viveu. Sofreu o martírio em Roma, onde hoje está a Basílica de São Pedro, símbolo da unidade de toda a Igreja. O papa Francisco é seu sucessor e mantém viva a promessa de Jesus de que Simão se chamaria Pedro, tornando-se a pedra-rocha sobre a qual seria edificada a Igreja de Jesus Cristo.

Paulo faz um caminho diferente. Não chegou a conviver com Jesus. Era um judeu ardoroso na sua fé e a defendia a todo custo, chegando a perseguir os seguidores de Jesus, os cristãos. Mas Jesus o esperava no caminho de Damasco: Saulo, Saulo, por que me persegues? Tornou-se um corajoso discípulo de Jesus; naquele dia, na estrada de Damasco, Cristo o tinha agarrado na alma e no corpo (Fl 3,12). Cristo tornou-se o sentido de sua vida: não sou quem vivo é Cristo que vive em mim. Colocou todo o seu conhecimento a serviço da Igreja, pregando Cristo aos judeus e aos pagãos.

A história desses dois homens nos ajuda a compreender a ação de Deus tecendo seu plano de salvação e contando com a generosidade humana para participar dele. Quem edifica a Igreja é Cristo. É ele que escolhe livremente pessoas como Pedro e Paulo, homens frágeis, mas com um forte desejo de colaborar com o projeto salvador de Deus. Por isso Ele quer contar conosco hoje na continuidade de sua obra através da Igreja com a missão de anunciar que o Ressuscitado vive e está no meio de nós.

 

Dom João Carlos Seneme é bispo da Diocese de Toledo

revistacristorei@diocesetoledo.org

TOPO