Isai Marcelo Hort

Sem mim o mundo acaba

Preciso ir para a empresa, sem mim ela não funciona. Preciso estar no meu setor de trabalho, sem mim ninguém sabe fazer nada. Preciso, preciso e preciso… No fundo são formas de gritarmos que o mundo precisa de nós. Este sentimento paira muitas vezes sobre o nosso ego. Eu sou necessário! Até certo ponto ele pode ser saudável para uma autoestima equilibrada. Porém, vamos encarar a realidade.

Sem mim o mundo não acaba. As tarefas que eu executo, outros podem fazer. Quem sabe até melhor. Se eu não for ao trabalho, farei falta por um tempo, mas logo encontrarão um substituto. Se eu não escrever um novo artigo, outros escreverão.
Existe apenas um “mundo” que realmente acaba sem a minha presença. O “mundo” da minha família e do meu casamento. Minha família adoece com meu afastamento e morre com minha ausência. 
Sem mim, ela deixa de existir. Ali sim eu devo bater o cartão. Ninguém pode cumprir a tarefa que eu tenho de amá-la e cuidá-la. 
A vida continua sem mim. Os filhos continuam mesmo sem o pai, a esposa pode encontrar outro marido, mas esta será uma nova família. A minha deixará de existir.

Entende por que ela deve ser prioridade?

Sem você o mundo não acaba, mas sua família sim.

Não se sinta insubstituível fora de casa, dentro dela, sim.

Que seu cônjuge e seus filhos tenham orgulho de você. Não pelo dinheiro que você traz para dentro de casa, mas pelo amor que você espalha dentro dela.

 

Eclesiastes 9.9 – “Desfrute a vida com a mulher a quem você ama, todos os dias desta vida sem sentido que Deus dá a você debaixo do sol… Pois essa é a sua recompensa na vida pelo seu árduo trabalho debaixo do sol”.

 

Provérbios 17:6 – “Os filhos dos filhos são uma coroa para os idosos, e os pais são o orgulho dos seus filhos”.

TOPO