Elio Migliorança

SURPRESAS

Em tempo de Copa do Mundo as surpresas estão na ordem do dia. Algumas seleções surpreendem pelos inusitados resultados, bons ou ruins. Para os menos ligados ao esporte que aproveitam as folgas nos horários de jogos, estas surpresas não dizem grande coisa. Há outras surpresas que chamam a atenção e devem ser comentadas, sob o risco de passarem despercebidas, já que a maioria está com os olhos voltados para a África do Sul. E isso até interessa para nossas autoridades, porque se o povo está distraído não haverá cobrança e muitas “aprontadas” passarão despercebidas.
A primeira surpresa veio da ordem judicial, proibindo o nepotismo no Tribunal de Contas do Estado. Santa Mãe Maria. Não acredito. Há poucos dias o Tribunal de Contas divulgou a relação dos inelegíveis, aqueles que, segundo a lei da “ficha limpa”, estão proibidos de se candidatar nas próximas eleições. O motivo? Os pecados cometidos no passado, pecados que o “sumo sacerdote” senador Francisco Dorneles, do Rio de Janeiro, quis perdoar com um golpe de mágica, utilizando um desconhecido verbo no futuro do subjuntivo, quando no texto da lei mudou o verbo de “foram” para “forem” condenados. A pergunta que não quer calar: o Tribunal de Contas que fiscaliza os outros está na ilegalidade? Não obedece a lei que proíbe o nepotismo, e tem que ser emitida uma ordem judicial para fazê-los cumprir a lei, eles que exigem dos outros a moralidade no serviço público?
Quem exige dos outros tem que ser o primeiro a dar o exemplo. Ali não podemos aceitar a máxima do “faça o que eu digo, mas não o que eu faço”.
A segunda surpresa decorre da confusão que se estabeleceu para saber quem vai botar a mão no bolso e adequar o estádio para sediar os jogos da Copa do Mundo em Curitiba. Neste jogo de empurra-empurra, surgiu a ideia de a Copel investir muitos milhões e como compensação utilizar o espaço para propaganda. Afinal, a Copel, que detém o monopólio do fornecimento de energia no Estado, precisa fazer propaganda para quê? E nós que acreditamos naquela charada de que a Copel é nossa, ficamos onde nessa história? E mais, alguém revelou que a Copel tem mais de R$ 1 bilhão em caixa. Maravilha. Por que então a nossa energia não pode ser um pouco mais barata? Por que qualquer extensão de rede ou troca de transformador tem que ser pago pelo consumidor?
E a terceira surpresa foi a denúncia feita pelo presidente da República de que os estrangeiros estão comprando muitas áreas de terra no Brasil e corremos o risco de ficar com um território diminuto dentro de poucos anos. Bem, essa nem Freud explica. O presidente da República, que tem a obrigação de estar informado de tudo neste país, portanto, tem conhecimento do que está ocorrendo e, ao invés de tomar providências, faz uma denúncia como se o problema não lhe dissesse respeito. Logo ele, o primeiro responsável em defender a Constituição. Se as aquisições colocam o futuro do país em risco, tome providências imediatas.
Muito já se falou do interesse estrangeiro pelas águas do território brasileiro e nós dormimos tranquilos achando que nossas autoridades estão atentas, e aí a gente tem que ouvir isto e de quem tem o dever de zelar pelo patrimônio nacional.

TOPO