TokLar Estofados
Elio Migliorança

Tripolarização

Enquanto a bola rola nos gramados russos, aqui vamos colhendo os frutos de um sistema viciado e contabilizando os prejuízos causados pela greve dos caminhoneiros e pelos embargos impostos à carne brasileira. E pelas manifestações veiculadas nas redes sociais durante a greve dos caminhoneiros que teve muitos apoios, foi possível descobrir que no título deste artigo está a solução para o Brasil do futuro. Tripolarização significa divisão em três polos ou partes principais. Como a discussão não tem fim e não há consenso sobre qual é o melhor sistema para o país, a saída será dividir o Brasil em três países. Cada pessoa deve optar por um deles e mudar-se para o Brasil de sua preferência, conforme as ideias que defende.

O primeiro será o Brasil socialista estilo Venezuela ou Cuba. Nele ninguém será proprietário, pois terras e empresas comerciais e industriais serão propriedade de todos e gerenciadas pelo Estado. Toda a riqueza gerada é igualmente dividida entre todos. Não existirão patrões nem empregados, pois todos trabalham para melhorar a sociedade. O Estado realiza o controle de toda a produção e o estoque, valor do salário e controle de preços. Educação, saúde e segurança serão também responsabilidade do Estado. Todos terão a mesma aposentadoria independente do esforço de cada um.

Casa do Eletricista folha LORENZETTI

O segundo será o Brasil militar estilo Arábia Saudita, Coreia do Norte ou Tailândia. Será o paraíso para aqueles que invocaram a intervenção militar durante a recente paralisação nacional. Nele as ordens virão do comando central e para os que tiverem dúvidas entre obedecer ou não, os cassetetes e as baionetas serão os meios para garantir que as ordens sejam cumpridas à risca. Não haverá meio termo. A desobediência será exemplarmente punida para servir de exemplo aos demais e a corrupção será erradicada com a pena de morte e para não onerar os cofres públicos a bala será paga pelos familiares do falecido. Não serão necessárias eleições, pois o comando estará nas mãos dos generais que não são eleitos e sim nomeados depois de uma longa e exemplar carreira no serviço militar. Haverá comissões de disciplina para punir todos aqueles que deixarem de cumprir as ordens.

O terceiro será o Brasil capitalista estilo Estados Unidos, Canadá e Japão. Nele cada um recebe de acordo com a sua produção, a base será a meritocracia. Cada um poderá adquirir aquilo que conseguir com seu salário ou renda da produção. Os preços serão regulados pela lei da oferta e da procura. O Estado será responsável apenas pelos serviços essenciais como educação, saúde e segurança. Os demais setores ficam abertos para a livre iniciativa com supervisão e fiscalização do Estado.

Criados os três polos brasileiros, cada um escolherá onde vai construir seu futuro. Assim teremos acomodadas todas as tendências manifestadas de forma ruidosa, barulhenta e muitas vezes mal-educada durante a paralisação nacional, iniciada pelos caminhoneiros e depois abraçada por muitas pessoas de boa vontade, mas também por oportunistas, aproveitadores, arruaceiros e golpistas querendo levar vantagem com o desabastecimento. Será um caminho sem volta, uma vez decidido, as fronteiras serão fechadas e cada um será refém ou premiado pela sua escolha.

Faça a sua escolha e que todos sejam muito felizes.

 

O autor é professor em Nova Santa Rosa

miglioranza@opcaonet.com.br

TOPO